Anderson Silva revela depressão após fratura na perna

Com retorno ao octógono marcado para janeiro, lutador comentou período afastado e disse que apoio da família deu forças

iG Minas Gerais | Débora Ferreira |

Anderson Silva já tem data definida para retorno aos octógonos
Reprodução/UFC
Anderson Silva já tem data definida para retorno aos octógonos

O período afastado das lutas mexeu muito com a cabeça do campeão Anderson Silva. Desde dezembro de 2013 afastado de eventos oficiais, Spider conviveu com a dúvida de se aposentar ou não e chegou até a enfrentar uma depressão após o duelo com Chris Weidman.

“Foram os piores meses da minha vida. Quando caiu a ficha, achei que minha carreira tinha acabado. Passaram milhares de coisas pela minha cabeça. Tem gente que diz que depressão é coisa de boiola, mas fiquei em depressão, fiquei mal. Talvez eu não voltaria se não tivesse o apoio das pessoas que tenho. Isso fez com que eu tivesse forças para continuar e voltar”, comentou o atleta, na primeira coletiva depois do anúncio de que o brasileiro retornará ao octógono no dia 31 de janeiro, em Las Vegas.

Mais de um ano depois da fatalidade, Silva irá enfrentar o também norte-americano Nick Diaz. Como a fratura foi séria, ele teve que trabalhar bastante no fortalecimento da perna, e já tem até uma estratégia para lutar contra Diaz – dessa vez, segundo ele, “sem pressão”.

“A perna está legal. Doutor Tannure brinca, diz que posso chutar e que não tenho problema, que ela não quebra mais. Aí brinco dizendo que na dúvida eu vou chutar da cintura pra cima. Mas acho que não terei vantagem. É continuar focado e agora com menos pressão. Não tenho a pressão de sete, oito anos vencendo. A luta com Diaz é boa, ele vai estar na mesma condição que a minha, um tempo sem lutar”, comentou.

Questionado se sentia vontade de fazer mais uma revanche com Weidman – os dois se enfrentaram em julho de 2013 e o americano acabou levando o cinturão, e em dezembro do mesmo ano, na revanche, Anderson se lesionou – o lutador se esquivou de polêmicas e disse até que, se pudesse, lutaria com ele mesmo.

“Se tiver que lutar com Weidman vou lutar. Luta é luta, mas não vou desafiar ninguém. As pessoas me perguntam quem eu quero lutar e me acham arrogante com a resposta que dou. Eu digo que gostaria de lutar com meu clone justamente pra não ter polêmica”, disse ele.

Leia tudo sobre: anderson silvammacoletivaufclesãochris widmanufc 183las vegasfraturafamília