TSE nega pedido para suspender propaganda de Aécio

Tribunal Superior Eleitoral não aceitou o pedido de liminar para suspender programa do candidato do PSDB, acusado de usar espaço público para realizar campanha eleitoral

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

POLITICA - AECIO NEVES - O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil , Aecio Neves , participou de ato político com aliados de todo o país, nesta quarta-feira (08/10), em Brasília (DF). Estavam presentes governadores, governadores reeleitos e governadores eleitos, além de candidatos, parlamentares e lideranças políticas. Eduardo Jorge (PV) e Pastor Everaldo (PSC), que disputaram Presidência, também compareceram

FOTO: Orlando Brito / PSDB
POLITICA - AECIO NEVES - O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil , Aecio Neves , participou de ato político com aliados de todo o país, nesta quarta-feira (08/10), em Brasília (DF). Estavam presentes governadores, governadores reeleitos e governadores eleitos, além de candidatos, parlamentares e lideranças políticas. Eduardo Jorge (PV) e Pastor Everaldo (PSC), que disputaram Presidência, também compareceram FOTO: Orlando Brito / PSDB

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou pedido de liminar para suspender programa do candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, que nos dias 9 e 10 de outubro por suposta propaganda irregular. A coligação da presidente Dilma Rousseff (PT) havia questionado o uso do interior do museu Memorial JK. Pela legislação eleitoral, o uso de espaços públicos para se fazer campanha eleitoral é ilegal.

O espaço foi usado na quarta-feira da semana passada para um encontro em que partidos fecharam o apoio à candidatura de Aécio Neves. Participaram do ato - que foi usado nas propagandas de Aécio - os candidatos a presidente derrotados no primeiro turno, Eduardo Jorge (PV), Pastor Everaldo (PSC), e o presidente do PPS Roberto Freire, que se aliou à ex-candidata Marina Silva (PSB).

A campanha de Dilma afirmou que o museu é considerado como espaço de interesse público, de acordo com um decreto de 1986 que dispõe sobre o tombamento do Memorial JK ao patrimônio cultural de Brasília. Eles disseram ainda que a sociedade é presidida por Anna Christina Kubitschek, neta do ex-presidente Juscelino Kubitschek.

Em sua decisão de rejeitar o pedido de liminar, o ministro Admar Gonzaga, relator do processo no TSE, afirmou que a coligação de Dilma contestou o uso, para fins políticos, do espaço controlado pela Sociedade Civil Memorial Juscelino Kubitschek com o argumento de que a entidade está autorizada, por lei, a receber verbas públicas mediante convênio. "Contudo, também assinalam tratar-se de pessoa jurídica de direito privado, circunstância esta que, em tese - ao menos para este juízo de cognição sumária afasta a incidência da norma apontada", afirmou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave