Contra apoio a Aécio, sete membros da Rede renunciam

Integrantes da executiva paulista desaprovaram apoio de Marina a Aécio e qualificam postura como um reforço aos que argumentam que a Rede é "mais do mesmo"

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A candidata à Presidência da República pelo PSB, Marina Silva , durante encontro com lideranças sindicais na Casa de Portugal
ADRIANA SPACA/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
A candidata à Presidência da República pelo PSB, Marina Silva , durante encontro com lideranças sindicais na Casa de Portugal

Em oposição ao apoio declarado pela ex-ministra Marina Silva (PSB) ao candidato do PSDB, Aécio Neves, sete integrantes da Rede Sustentabilidade renunciaram na tarde dessa segunda-feira (13), a suas funções na executiva paulista do grupo político. São eles Valfredo Pires, Gérson Moura, Washington Carvalho, Emílio Franco Jr., Marcelo Pilon, Renato Ribeiro e Marcelo Saes.

Conforme antecipou ontem o Broadcast Político, o grupo divulgou um manifesto no qual anunciaram a decisão de pedir o afastamento motivados pelo gesto de Marina e pela recomendação da direção nacional da Rede, de sugerir voto branco, nulo ou em Aécio. Na carta, eles alegam que "qualquer um dos candidatos finalistas à Presidência da República reforça os argumentos daqueles que acusam a Rede de ser mais do mesmo, de ser só uma nova roupagem para a velha e corrupta política que tanto nos dispusemos a combater".

"Não responderemos por esse assassinato dos ideais e princípios que nos atraíram à Rede. Acreditamos que nosso discurso, nossa essência, deveria ser representado por uma clara posição de neutralidade em relação às candidaturas de Dilma Rousseff e Aécio Neves, recomendando à sociedade um voto crítico, seja este qual for", argumentam. "E estes velhos hábitos, por hora tem sido agregados à Rede por membros que não entendem e nunca entenderam realmente, em profundidade, que para mudar é preciso fazer diferente".

Minoria - O porta-voz estadual da Rede, Alexandre Zeitune, minimizou o movimento de dissidência. "É um grupo extremamente pequeno, que não queria construir apoio ao Aécio. Mas isso é natural, nós já tivemos baixa quando não fomos legalizados", disse, ao lembrar que houve integrantes que deixaram o partido no ano passado, quando da parceria de Marina Silva com Eduardo Campos (PSB). "A maioria em São Paulo aplaudiu o posicionamento nacional (de incentivar voto nulo ou em Aécio) e o posicionamento de Marina (de apoiar Aécio) foi exatamente o que as pessoas esperavam", argumentou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave