CBV volta trás e desiste de decisão masculina em três jogos

Entidade já havia afirmado que decisão era dos clubes, mas contato com emissora fez entidade rever posicionamento

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI E THIAGO NOGUEIRA |

Oposto Lorena acredita que decisão mostra que Superliga precisa evoluir
Divulgação
Oposto Lorena acredita que decisão mostra que Superliga precisa evoluir

Ao contrário do que chegou a ser divulgado pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), a final da Superliga masculina não será mais realizada em três jogos.

Email enviado pela entidade, na última semana, para os clubes participantes do campeonato, informa que não será possível cumprir o acordo que foi acertado na plenária que aconteceu em São Paulo.

Na oportunidade, a CBV informou que os clubes decidiriam, em votação, como seria realizada a decisão. A maioria foi a favor de final em três jogos. Apenas Minas Tênis Clube e Brasil Kirin Vôlei-SP preferiram a manutenção da decisão em jogo único. 

A informação foi confirmada pela CBV, mesmo com o risco dos três jogos não serem transmitidos pela emissora detentora dos direitos de transmissão. 

Na última semana, contudo, os clubes foram pegos de surpresa com o comunicado. Ele informava que, apesar da decisão realizada anteriormente, a CBV, como detentora do campeonato, havia mudado de opinião, fazendo valer a sua decisão sobre a final, para atender os interesses da Rede Globo, que 'não planejou sua programação para o formato proposto. 

Desta forma, a final da Superliga masculina e feminina continuará com o mesmo formato do ano passado, em jogo único, na casa da equipe de melhor campanha.

"A gente joga as quartas de final e as semis em três jogos. Nos preparamos meses para a melhor de três jogos. E, depois, fazemos um jogo único e não podemos perder. Já disputei final que tive até cãibra. Um jogo só, de manhã, porque a TV quer, não concordo. Só aqui tudo é diferente. Temos que começar a evoluir", protesta o oposto Lorena, do Taubaté-Vôlei-SP.

Confira carta enviada para os clubes.

"Prezados,   Como em todos os anos, realizamos nossa reunião plenária de atualização do regulamento da nossa Superliga no último dia 15 de Setembro. Várias foram as sugestões dos clubes na área técnica e organizacional que foram incluídas no novo texto.  Como sempre fazemos, buscamos junto aos demais interessados na nossa competição o consenso sobre todas as mudanças propostas. A maioria das demandas foram aprovadas, sendo uma delas o retorno do playoff melhor de 3 (três) jogos na Final da Superliga Masculina. No entanto, ficou combinado realizarmos uma reunião com a TV Globo para discutirmos se havia condições da transmissão de um terceiro jogo, caso fosse necessário. Desta forma, informo que a emissora de televisão oficial da Superliga, não planejou sua programação para o formato proposto o que dificultaria manter o imenso espaço de divulgação do voleibol Brasileiro, da Superliga e dos patrocinadores na TV aberta, correndo o risco de não termos a TV Globo transmitindo a Final, fato este que seria por demais prejudicial a todos os envolvidos, incluindo patrocinadores e o público que não tem condições de ir até ao local da Final e nem a TV fechada.

Por este motivo, a CBV resolveu NÃO ALTERAR, para esta temporada, o formato de disputa da Superliga Masculina para melhor de 3 (três) jogos, permanecendo o mesmo formato da temporada anterior, ou seja, a Final da Superliga Masculina e Feminina será em jogo único, no Estado da equipe finalista com melhor índice técnico na fase classificatória.

Na oportunidade, assumimos aqui o compromisso com todos os clubes, masculinos e femininos de continuarmos negociando uma saída que garanta ao mesmo tempo o atendimento do desejo técnico dos clubes com a manutenção do espaço na mídia. A conquista de visibilidade para as marcas parceiras e patrocinadoras tanto da CBV quanto dos clubes deve ser respeitada e sempre ampliada. Caso tenhamos sucesso no planejamento de playoff na final masculina e feminina das Superligas

junto a emissora detentora dos direitos de transmissão, ela será adotada na temporada 2015/2016, pois somos sabedores da aprovação pela imensa maioria dos clubes,  da adoção do sistema de play off nas finais. Além disso,  precisaremos negociar com todos os patrocinadores e parceiros da Superliga por parte da CBV e dos clubes para mudarmos sem causar prejuízos a nenhuma das partes, garantindo uma transição tranquila.

O regulamento oficial será publicado esta semana e junto com a tabela de jogos deixará a nossa temporada pronta para ser iniciada.   Forte abraço, Renato D´Ávila, superintendente técnico da CBV"