Seleção continua 100% e hoje faz semi contra os EUA

Vitória manteve invencibilidade de 11 jogos no torneio, único que meninas do país ainda não têm

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Favorita. Sem perder na reta final do Mundial, seleção brasileira precisa controlar a ansiedade
FIVB/Divulgação
Favorita. Sem perder na reta final do Mundial, seleção brasileira precisa controlar a ansiedade

Mesmo já classificado para as semifinais do Campeonato Mundial, o Brasil entrou em quadra, ontem, contra a República Dominicana, encarando o último jogo da terceira fase como mais um importante passo rumo ao inédito título. A partida, que aconteceu em Milão, na Itália, terminou com vitória verde-amarela por 3 a 0 (parciais de 25/19, 25/21 e 25/17). Hoje, às 12h30 (de Brasília), o time de José Roberto Guimarães vai enfrentar os Estados Unidos, valendo uma vaga na grande decisão de amanhã.

O Brasil entra com status de time a ser batido, já que está invicto após 11 jogos. A outra semifinal acontece entre as donas da casa e a China.

A grande arma da seleção nessa sexta-feira foi a parte tática. A principal jogadora dominicana, a ponta De la Cruz, foi muito bem marcada. Acostumada a fazer mais de 30 pontos por partida, ontem, a atleta teve apenas oito anotações. A maior pontuadora do jogo foi a oposta Sheilla, com 13.

“Sabíamos que a De la Cruz precisava de atenção, demos prioridade para marcá-la, para depois pensar em neutralizar as outras jogadoras”, disse a levantadora Dani Lins.

A recepção caribenha esteve inconstante e facilitou o trabalho do bloqueio, que funcionou bem. Muitos contra-ataques foram cedidos para o Brasil e aproveitados em sua maior parte.

“A Dani Lins trabalhou bem, distribuiu as bolas com tranquilidade. Não deixamos o time delas crescer, a não ser no segundo set, quando encostaram. Isso serve de lição pois não pode acontecer. Vamos para a próxima fase seguras e confiantes”, ressaltou a experiente ponta Jaqueline.

Em apenas poucos momentos do confronto, o Brasil permitiu certa reação das adversárias.

Faltam só dois jogos para o título inédito. O Brasil precisa de atenção hoje, já que, a partir de agora, não há chance de recuperação.

“Precisamos continuar jogando bem soltas. Se for assim, temos boas chances de passar. Estamos prontas para quem vier”, resume a confiante Dani Lins.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave