Saveiro CD é qualificada, mas não supera limitações

Versão cabine dupla da picape comporta cinco pessoas, mas com espaço limitado

iG Minas Gerais | Felipe Boutros |

VW Saveiro Highline cabine dupla
Alexandre Carneiro
VW Saveiro Highline cabine dupla

No competitivo mercado que há no Brasil hoje, as montadoras têm que atender a demanda. Talvez isso explique o surgimento de picapes compactas com cabine dupla, segmento que a Fiat inaugurou e no qual reinou sozinha por um período razoável, mas que, há pouco mais de um mês, enfrenta a concorrência da Volkswagen Saveiro, avaliada pelo Carro&Cia em sua versão Highline.

Uma comparação inicial com a Strada é inevitável. O modelo da Fiat leva vantagem por oferecer três portas, mas o da VW tem capacidade para cinco ocupantes – contra quatro da concorrente. Dentro da cabine, a Saveiro enfrenta o mesmo problema da Strada: o espaço no banco traseiro. Ocupar todos os assentos requer diplomacia e negociação, e todos têm que ceder. Mesmo assim, adultos, mesmo os baixos, só devem se aventurar atrás em trajetos curtos. E, apesar de levar três pessoas no banco traseiro, a do meio ainda é mais penalizada pelo pouco espaço para as pernas.

Em relação à cabine simples, há mais espaço para a cabeça, já que o habitáculo está mais alto. Quem vai na traseira conta com vidros laterais basculantes, dois porta-garrafas de até 500 ml, um porta-lata e até uma saída de 12V adicional.

Outro problema enfrentado pelos donos desse tipo de utilitário é a dificuldade em guardar volumes pequenos e médios, como compras de supermercado ou até mesmo malas. Existem duas alternativas: deixar no banco de trás ou na caçamba. A primeira alternativa oferece o inconveniente de expor tudo aos “amigos do alheio”. O problema da segunda é tudo se espalhar com a movimentação do veículo.

O acesso ao banco traseiro tem as mesmas dificuldades de um carro de duas portas. Já a caçamba tem 1,10 m de comprimento no assoalho, e seu estepe fica posicionado debaixo do veículo, o que deixa livre o compartimento de carga de 580 l.

Mecânica

A versão Highline avaliada é equipada com o motor EA111 1.6 e oito válvulas. Ele rende 101 cv e 104 cv a 5.250 rpm com gasolina e etanol, respectivamente. O torque é de 15,4 kgfm e 15,6 kgfm a 2.500 rpm, com os mesmos combustíveis. É um propulsor ultrapassado, tanto que a VW já oferece nas versões top de linha – no caso da Saveiro, a Cross – o EA211, com cabeçote de 16 válvulas e 120 cv de potência (com etanol). Com ele, a picape tem um desempenho apenas razoável, mesmo vazia. O câmbio é manual de cinco marchas, reconhecido pelos seus bons engates.

O acerto de suspensão é mais firme, típico de um veículo de carga e transfere as irregularidades da pista para o interior.

Já quanto ao acabamento e ao desenho não houve mudanças em relação ao restante da linha.

Preço

A Saveiro cabine dupla Highline custa a partir de R$ 53.110 e traz de série direção hidráulica, vidros e travas elétricos, ABS com EBD, indicador de frenagem de emergência, desembaçador traseiro e freios a disco nas quatro rodas, ar-condicionado, alarme, faróis de neblina, indicador de trocas de marcha, computador de bordo, rádio com CD, MP3, bluetooth, USB e entrada auxiliar, retrovisores elétricos e volante multifuncional. Completa, com ganchos deslizantes na caçamba, capota marítima, bancos em couro sintético e rodas de liga leve, o valor sobe para R$ 57.079.

Leia tudo sobre: Saveirocabine duplapicape compactaavaliação