Brasil vence República Dominicana e já pensa na semifinal

Equipe conseguiu neutralizar principal peça adversária e fez partida bem ajustada taticamente

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Jaqueline acredita em pedreira nas semifinais
FIVB - DIVULGAÇÃO
Jaqueline acredita em pedreira nas semifinais

Mesmo já classificado para as semifinais do Campeonato Mundial de vôlei feminino, o Brasil entrou em quadra, contra a República Dominicana, encarando o jogo como mais um importante passo ao inédito título. A partida foi válida pela terceira fase do torneio, que acontece em Milão, na Itália e terminou com vitória verde-amarela, sem dificuldades, por 3 a 0 (25/19, 25/21 e 25/17).

Agora, o time de José Roberto Guimarães aguarda o segundo colocado da outra chave, que possui Itália, EUA e Rússia, para conhecer o adversário do jogo que vale vaga na decisão. O Brasil entra com status de time a ser batido, já que está invicto após 11 jogos.

A República Dominicana, que ficou perto da classificação, ao abrir 2 a 0 na China, ficou pelo caminho. Depois de permitir a virada das chinesas, as dominicanas tinham a ingrata tarefa de vencer o invicto Brasil para avançar. Sem a agressividade que marcou sua campanha, o time do técnico brasileiro Marcos Kwiek se despede de cabeça erguida, depois de marcar presença entre as seis melhores seleções do mundo, algo impensável quando o torneio começou.

A grande arma do Brasil foi a parte tática. A principal jogadora da República Dominicana, a ponta De la Cruz, foi muito bem marcada. Acostumada a marcar mais de 30 pontos por partida, nesta sexta-feira, a atleta teve apenas oito anotações. A maior pontuadora do jogo foi a oposta Sheilla, com 13. 

"Sabíamos que a De la cruz precisava de atenção, demos prioridade para marcá-la, para depois pensar em neutralizar as outras jogadoras", mostra a levantadora Dani Lins. A recepção caribenha esteve inconstante e facilitou o trabalho do bloqueio, que funcionou bem. Muitos contra-ataques foram cedidos para o Brasil e aproveitados em sua maior parte.

"A Dani Lins trabalhou muito bem, distribuiu as bolas com tranquilidade. Não deixamos o time delas crescer, a não ser no segundo set, quando encostaram. Isso serve de lição pois não pode acontecer. O jogo foi difícil, mas nós fomos bem. Vamos para a próxima fase seguras e confiantes. Quem vier, será pedreira", destaca a ponta Jaqueline.

Em poucos momentos do confronto, o Brasil permitiu reação das adversárias e se viu intimidado. Faltam apenas dois jogos para o inédito título mundial. O Brasil precisará de atenção já que, a partir de agora, uma única partida ruim pode comprometer toda a participação.

"Precisamos continuar jogando felizes e soltar. Se for assim, temos boas chances de passar. Estamos prontos para quem vier. A vitória contra a China ajudou, fomos muito bem taticamente", resume Dani Lins.

Brasil dominou do começo ao fim

Já nos primeiros instantes do jogo, a equipe brasileira mostrou que estava atento para os perigos do outro lado. De la Cruz e Martinez tinham dificuldades para atacar e viram que não teriam vida fácil diante das gigantes Thaísa e Fabiana. A pressão pra cima delas só aumentou com o decorrer da partida. Um 10 a 5 logo foi aberto e a vantagem no placar foi mantida com as dominicanas alternando altos e baixos. Somente na reta final do set, as caribenhas reagiram, mas já era tarde demais. O ponto final veio com Tandara. A oposta foi bloqueada e a bola voltou no seu rosto antes de cair no chão adversário.

No segundo set, a República Dominicana pecou ao errar além da conta. O Brasil se aproveitou e abriu boa diferença com 11 a 5 e 15 a 8. Cada vez mais a tarefa para o time de Kwiek ficava complicada. O saque brasileiro seguia incomodando e os contra-ataques eram bem aproveitados. De novo, no fim da etapa, as dominicanas reagiram, mas sem muito sucesso para empatar o jogo.

O começo do terceiro set mostrou um equilíbrio que ainda não havia aparecido. A troca de pontos apareceu até o primeiro tempo técnico. A partir daí, o Brasil foi desgrudando-se do placar, com os erros de passe das adversárias. Com bom volume de jogo, o time abriu 16 a 11 antes de fechar e garantir a primeira posição do grupo e 100% de aproveitamento no Mundial.