Marina agora quer que Aécio mude plano de governo

Principal pedido é que chapa do PSDB recue em relação a redução da maioridade penal, proposta feita pelo candidato a vice-presidente Aloysio Nunes

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Marina Silva em coletiva no Rio de Janeiro, no dia 17 de setembro de 2014
PSB/Divulgação
Marina Silva em coletiva no Rio de Janeiro, no dia 17 de setembro de 2014

Em lista entregue à campanha de Aécio Neves, a Rede Sustentabilidade, grupo de Marina Silva que está abrigado no PSB exige que o candidato do PSDB refaça parte de suas propostas para o programa de governo a fim de que a ex-ministra confirme seu apoio a ele neste segundo turno.

O principal pedido é que o tucano recue de sua posição sobre a redução da maioridade penal. O autor da proposta de emenda constitucional que reduz a maioridade para 16 anos em casos de crimes hediondos é o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), candidato a vice-presidente na chapa tucana. Aécio já sinalizou que não deve acatar o pedido.

Estão na mesma lista o "desengavetamento" da política de demarcação de terras indígenas e unidades de conservação, metas de assentamento para reforma agrária, educação em tempo integral passe livre para estudantes de escolas públicas e 10% do orçamento da União para gastos com a saúde. Para a Rede Sustentabilidade, o governo Dilma Rousseff promoveu retrocesso na área socioambiental.

O porta-voz da Rede, Walter Feldman, afirmou que o candidato do PSDB precisa de "uma flexão social". De acordo com ele, esse é o objetivo da lista de propostas entregues ao PSDB.

O deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), que recebeu a lista da Rede levará o pedido de Marina a outros coordenadores da campanha tucana, como o senador eleito pelo Ceará, Tasso Jereissati, e a educadora Maria Helena Guimarães. "A resposta será fundamental para a minha manifestação individual, que será feita oportunamente no segundo turno", afirmou Marina em carta enviada ontem aos partidos coligados à Rede.

Recuo - As palavras de Marina expostas na carta mostram, na prática, um recuo em relação à posição manifestada na segunda-feira(6), pela ex-ministra a aliados, quando ela afirmou, nos bastidores, que iria apoiar Aécio.

Nessa quarta-feira (8), ela esteve no apartamento do ex-presidente Fernando Henrique, um dos principais líderes tucanos do País. Em dado momento da conversa, lembrou que Aécio também tentou desconstruí-la no 1.º turno. No mesmo dia, a Rede divulgou sua posição: orientou seus apoiadores a votarem em branco, nulo ou em Aécio no 2.º turno.

O PSB, partido que lhe deu abrigo após não conseguir criar a Rede no ano passado, já declarou adesão aos tucanos sem exigências. Marina faria seu anúncio nesta quinta-feira, 9, mas acabou adiando o evento e divulgando sua carta com pedidos de alteração no programa do PSDB.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave