‘Muita gente quis se promover com a desgraça na minha vida’

Guilherme de Pádua Ex-ator condenado pela morte da atriz Daniella Perez e que hoje, após cumprir pena, trabalha na área de tecnologia e serviço social

iG Minas Gerais | Andrea Juste |

Reprodução YouTube
undefined

Indignado com uma notícia que afirma ser mentirosa, o ex-ator Guilherme de Pádua conversou nesta quinta com a reportagem de O TEMPO sobre as afirmações na coluna de Leo Dias, do jornal “O Dia”, de que pretende ir à Justiça para retirar da web informações que considera ofensivas.

No último dia 7, o colunista Leo Dias, do jornal “O Dia”, divulgou que Guilherme de Pádua havia afirmado que moveria ação na Justiça para que o Google apagasse todas as informações que prejudicassem a sua reputação, pois entende que já pagou na Justiça o que devia. Segundo o colunista, o ex-ator pretendia manter a suposta ação em segredo, mas ela teria sido revelada por amigos dele. Guilherme de Pádua procurou a reportagem de O TEMPO para esclarecer o que ele considera um erro. Em uma conversa por telefone, nesta quinta, disse que nem sabia que existia a possibilidade de processar o Google para retirada de material. Disse ainda que foi pego de surpresa ao ler a coluna. Pádua, condenado pelo assassinato da atriz Daniella Perez, filha da autora Glória Perez, em 1992, cumpriu pena e está em liberdade desde 1999. Ele mora em Belo Horizonte. O crime chocou o país e ainda provoca grande comoção. A carreira da atriz estava no auge e ela, junto com Pádua, atuavam uma novela no horário nobre da Rede Globo. O que você tem a dizer sobre a afirmação de que você iria processar o Google?

Eu nem sabia que podia fazer isso com o Google. Fui pego de surpresa (com a notícia). Acho que esse jornalista quer fazer fama com a desgraça alheia. É uma notícia mentirosa, sensacionalista. Não tenho ideia de onde o jornalista tirou isso. Você já passou por isso antes?

Muita gente já quis se promover por meio da desgraça que envolve a minha vida. Jornalista tem fama de ser tendencioso, oportunista. Acho que isso é uma asneira digital. É muito link no Google, uma busca traz bilhões de links. Imagina o que o Google vai fazer? Há vários Guilhermes de Pádua. Como você vive atualmente? Você é casado?

É sempre difícil. Confio em Deus, até que isso chegue no fim. Estou com 45 anos, no máximo, mais cinco anos, fico livre. A vida é passageira. Estou apegado à fé hoje em dia. Vivo o tempo todo dedicado à fé. Não tenho a ilusão de cair no esquecimento. Mas tento ajudar muitas pessoas. Faço trabalhos em presídios, com drogados. Volta e meia encontro alguém que posso ajudar. Sou casado, a minha esposa sofre as mesmas privações que eu. É um sacrifício para ela. Como é o seu trabalho?

Trabalho em uma igreja cristã batista e com tecnologia. O que faço (na igreja) é semelhante ao trabalho pastoral, que envolve todos os tipos de atividade da igreja, seja relações humanas, teológicas. As pessoas te reconhecem?

Nem todas, pois já tem muitos anos (que o crime aconteceu). Mas os 10% que reconhecem informam os outros 90%. Algumas pessoas fecham a cara, outras dão palavras de apoio, para que eu consiga dar a volta por cima. Já aconteceu de pessoas falarem palavras de ofensa. Tenho tido sabedoria nessa situação. Continuo fazendo o que posso.

Relembre 1992. Guilherme de Pádua matou, junto com a ex-esposa Paula Thomaz, a atriz Daniella Perez, com quem trabalhava na novela “De Corpo e Alma” 1995. Na cadeia, Pádua escreve o livro “A História que o Brasil desconhece” 1997. Guilherme e Paula foram condenados por homicídio duplamente qualificado, com motivo torpe, a 19 anos e 6 meses de prisão 1999. Pádua saiu da prisão depois de cumprir um terço da pena (seis anos). Rompeu com Paula e passou a trabalhar em uma igreja evangélica em BH 2006. Casou-se com a produtora de moda Paula Maia, da mesma igreja, 14 anos mais nova

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave