Paz e exclusividade para canoístas em Lagoa Santa

Município da região metropolitana de BH aprovou uma lei especialmente para receber os atletas

iG Minas Gerais | Thiago Nogueira |

Avaliação. Apesar do baixo nível da lagoa por causa da seca, canoístas aprovaram a nova casa
Alex de Jesus
Avaliação. Apesar do baixo nível da lagoa por causa da seca, canoístas aprovaram a nova casa

Pacientemente sentado às margens da lagoa Central, em Lagoa Santa, o aposentado Adilson da Luz, 64, esperava fisgar mais um peixe. De repente, passam uma, duas, três canoas. “Uai, não estavam proibido os barcos”, pensou. Não, não mais. O Ato Olímpico de Lagoa Santa – lei municipal aprovada em maio deste ano – estabeleceu regras especiais para a prática de esportes náuticos no local.

A cena, que estranhou moradores, na verdade, é o primeiro passo para o sonho de uma inédita medalha olímpica na canoagem de velocidade. A equipe brasileira, reconhecidamente uma das melhores do mundo, já iniciou seus treinamentos na nova casa, escolhida por sua tranquilidade e pelas condições semelhantes à lagoa Rodrigo de Freitas, palco da modalidade nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, daqui a dois anos.

Os canoístas Isaquias Queiroz, Erlon Santos e Ronilson Oliveira foram os primeiros a chegar e não tiveram moleza.

Depois de um período de férias, o exigente treinador espanhol Jesús Morlán já estabeleceu a programação da temporada. Daqui por diante, serão 46 semanas com treinos intensos na água, na academia, com corridas ou jogos.

Ontem, por exemplo, foram 90 minutos de remadas para o reconhecimento. “A lagoa está um pouco rasa para entrar, mas, no meio, a água não é pesada, me parece ótima para treinamento. Mas vamos ver mesmo quando começarem os treinamentos específicos da temporada”, destacou o bicampeão mundial da prova de 500 m, Isaquias Queiroz. “A lagoa é boa e o vento é bem parecido com a lagoa Rodrigo de Freitas”, completa Ronilson Oliveira.

Na próxima semana chegam outros três atletas: Nivalter Santos, James Marcelo e o espanhol David Cal, dono de cinco medalhas olímpicas, que já treina com os brasileiros.

Escolha. Para se tornar um centro oficial de treinamento para a Olimpíada, Lagoa Santa venceu concorrentes em todo o país, inclusive, a lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte, preterida por causa dos índices de poluição e da elevada proliferação de algas.

A antiga sede de treino, na Universidade de São Paulo (USP), na capital paulista, não agradava por causa da concorrência com frequentadores e os problemas de uma metrópole. “Procurávamos uma cidade pequena, com um entorno familiar, com uma casa próxima, sem trânsito, sem barulho, sem filas”, disse Morlan.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave