Massa relata 'pior GP da vida' após acidente de Bianchi

Pilotos demonstram emocional abalado após a batida de Jules no Grande Prêmio do Japão

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

O brasileiro Felipe Massa também levou um susto em 2009. Durante os treinos classificatórios do GP da Hungria, uma mola se soltou do carro de Rubens Barrichello e atingiu o capacete de Massa. O brasileiro ficou inconsciente e colidiu contra a proteção de pneus. Massa teve fraturas no crânio, mas se recuperou e retornou às pistas ainda naquele ano, durante o GP do Brasil.
Divulgação
O brasileiro Felipe Massa também levou um susto em 2009. Durante os treinos classificatórios do GP da Hungria, uma mola se soltou do carro de Rubens Barrichello e atingiu o capacete de Massa. O brasileiro ficou inconsciente e colidiu contra a proteção de pneus. Massa teve fraturas no crânio, mas se recuperou e retornou às pistas ainda naquele ano, durante o GP do Brasil.

O grave acidente de Jules Bianchi no GP do Japão, no último domingo, ainda está vivo na memória de cada um dos pilotos da Fórmula 1. Não seria diferente com o brasileiro Felipe Massa, que não esquece os momentos de aflição da prova após a dura batida da Marussia do piloto francês, que segue internado em estado "crítico e estável" em um hospital próximo a Suzuka.

Massa garantiu que a prova no Japão foi "a pior da minha vida", inclusive à frente do GP da Hungria de 2009, no qual foi o próprio brasileiro quem sofreu um grave acidente. Na ocasião, no treino classificatório, uma mola se soltou do carro de Rubens Barrichello e acertou o então piloto da Ferrari na cabeça, deixando-o hospitalizado por algumas semanas por conta de uma fratura no crânio.

"O GP do Japão foi pior porque não me lembro do meu acidente", comentou Massa, que prometeu dedicar a prova do próximo fim de semana, o GP da Rússia, a Bianchi. "Foi uma semana difícil para todos nós. Amanhã (sexta-feira) temos que fazer o melhor possível, por ele e por sua família."

A promessa do brasileiro da Williams foi entoada pelos outros pilotos da categoria. "Todos os nossos pensamentos estão com o Jules. Tenho um enorme respeito por nosso esporte, mas não há palavras para descrever a sensação quando ocorrem graves acidentes", declarou Fernando Alonso.

O espanhol da Ferrari falou sobre a dificuldade de pilotar apenas uma semana depois de um acidente tão traumático, mas garantiu que o próprio Bianchi dará força aos pilotos. "Emocionalmente será muito difícil, vamos correr por ele, teremos ele em nossos pensamentos e em nossas orações."

Adrian Sutil, único piloto que viu o acidente de perto, concordou e lamentou a "nuvem negra" sobre os pilotos. "Temos que rezar, é a única coisa que podemos fazer. Mesmo que haja uma nuvem negra sobre nós, temos que tratar de ser profissionais e competir por ele", comentou o alemão da Sauber.

A poucas voltas para o fim da prova do último domingo, Bianchi perdeu o controle de seu carro na curva 7 e bateu de frente com um guindaste que estava à beira da pista para retirar a Sauber de Sutil, que havia batido no mesmo lugar um pouco antes. A força do impacto gerou sérias lesões cerebrais no piloto francês que passou por cirurgia pouco após a prova e segue hospitalizado em estado grave.

Leia tudo sobre: felipe massajules bianchiacidenteformula 1gp do japao