16 policiais militares são presos por envolvimento com tráfico no Rio

Em nota oficial, a secretaria afirmou que os PMs presos tinham "estreito laço" com traficantes da Ilha do Governador, especialmente com o chefe de uma facção

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Agentes da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança do Rio e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público cumpriram, na manhã desta quinta-feira (9), 16 mandados de prisão contra policiais militares, entre eles, dois oficiais, do 17º Batalhão da PM, na Ilha do Governador, zona norte do Rio.

Em nota oficial, a secretaria afirmou que os PMs presos tinham "estreito laço" com traficantes da Ilha do Governador, especialmente com Fernando Gomes de Freitas, conhecido como Fernandinho Guarabu, identificado como chefe de uma facção.

De acordo com a investigação, em uma ocasião policiais do batalhão abordaram um carro com cinco homens e encontraram munição, granadas, fuzis e pistolas, mas apenas três dos criminosos foram presos --Guarabu e outro chefe da facção, não identificado no comunicado da Secretaria de Segurança, teriam sido liberados.

Os policiais teriam sido subornados pelos traficantes para liberá-los, e guardado as armas encontradas no carro para negociar com criminosos.

Segundo os investigadores, tanto o então comandante do batalhão quanto o chefe do Serviço Reservado (P2) sabiam do ocorrido e "se beneficiaram financeiramente" dele --o comandante teria recebido R$ 40 mil.

A operação, batizada Ave de Rapina, recebeu apoio da Corregedoria Geral Unificada (CGU), da Polícia Civil e da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (DRACO/IE). Além dos 16 mandados de prisão, outros 32 de busca e apreensão forma cumpridos.

Leia tudo sobre: PoliciaisSegurançatráficoRio de JaneiroPMprisãosubornotraficantesBrasil