Na Bahia, Dilma se declara 'meio pardinha' e pede vaga no Olodum

Candidata do PT brincou que gostaria de um espaço no grupo quando deixar de ser presidente do país

iG Minas Gerais | DA REDAÇÂO |

Em campanha nesta quinta-feira em Salvador, na Bahia, a presidente Dilma Rousseff (PT) se declarou "pardinha" e pediu uma vaga no Olodum, um dos mais tradicionais blocos afros da capital baiana.

"Eu inclusive já falei que, quando deixar de ser presidente, eu vou ver se eu consigo ali um espaçozinho pra mim [sic] tocar lá no Olodum", disse a presidente. "Eu sou meio pardinha, então eu acho que eu passo lá."

A declaração ocorreu pela manhã em entrevista a rádios baianas.

Na mesma entrevista, de 36 minutos, a candidata petista à reeleição acusou os adversários do PSDB de criarem uma "oposição ridícula" entre o Sudeste e o Nordeste.

A presidente se referia à declaração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Em entrevista a blogueiros do UOL, empresa do Grupo Folha, que edita a Folha de S.Paulo, FHC disse: "O PT está fincado nos menos informados, que coincide de ser os mais pobres. Não é porque são pobres que apoiam o PT, é porque são menos informados."

Dilma respondeu a rádios baianas: "É uma visão preconceituosa e elitista. [Estão] dizendo que meus votos são os dos ignorantes e dos letrados são os deles. Eles não andam no meio do povo, não dão importância ao povo. Querem desqualificar, destilar um ódio mal resolvido", afirmou.

A entrevista, que alcançou rádios de todo o interior do Estado, foi conduzida pelo radialista e ex-prefeito de Salvador, Mário Kértesz, que fez coro com Dilma quando ela atacou a visão dos tucanos sobre programas sociais. Ele também concordou com a resposta de Dilma a FHC. "Ave Maria", "Pelo amor de Deus", "Isso é um absurdo" e "É verdade", disse, durante a declaração da presidente.

Kértesz entrou na política pelas mãos do senador Antônio Carlos Magalhães (1927-2007), sendo nomeado secretário de planejamento da Bahia no primeiro gestão de ACM no governo da Bahia.

Foi prefeito de Salvador por duas vezes (1979-1980 e 1986-1988), sendo uma vez nomeado e outra pelo voto popular.

Em 1992, tentou volta à prefeitura, mas perdeu as eleições para Lídice da Mata (PSDB, hoje no PSB). Desde 2001, é radialista da rádio Metrópole, de propriedade de seus filhos.

Em 2012, tentou novamente voltar à Prefeitura de Salvador, sendo derrotado ainda no primeiro turno.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave