Contadora diz que buscou dinheiro para pagar multa do mensalão

Meire Poza declarou ter ido três vezes neste ano à casa do jornalista Breno Altman, onde recebeu parcelas de R$ 15 mil a pedido de Enivaldo Quadrado

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, Meire Poza, afirmou nesta quarta-feira (8) que buscou dinheiro com um jornalista ligado ao PT para pagar a multa pela condenação no mensalão de Enivaldo Quadrado, para quem a contadora trabalhava.

Segundo Meire, ela foi neste ano três vezes à casa do jornalista Breno Altman buscar parcelas de R$ 15 mil a pedido de Enivaldo Quadrado, operador do mercado financeiro que foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal por ter distribuído dinheiro do mensalão no início do governo Lula e que mais tarde passou a trabalhar para o doleiro.

Procurado pela reportagem, Altman, que é filiado ao PT de acordo com a Justiça Eleitoral, negou ter entregado o dinheiro a Meire e classificou suas declarações de "fantasiosas".

"O sr. Enivaldo Quadrado me pediu para receber R$ 15 mil, que era um valor que ele recebia de um jornalista chamado Breno Altman, em que ele [Enivaldo] dizia que era o PT pagando a multa dele no mensalão", afirmou Meire, durante depoimento à CPMI da Petrobras nesta quarta.

E completou: "Ele me pediu que fosse buscar na casa do senhor Breno Altman, em São Paulo. Como Enivaldo mora em Assis (interior de São Paulo), ele não podia ir e me pediu que eu fosse lá buscar os valores. Eu entreguei esse dinheiro para o Enivaldo depois. Peguei sempre no último dia do mês ou no início do outro mês. Primeiro ele me entregou uma pasta, depois entregou um envelope", disse.

"É curioso porque Enivaldo operava na Bônus Banval para o PP, cujo principal nome era Janene que curiosamente indicou Paulo Roberto para a Petrobras e que era amigo de Dirceu", afirmou o deputado Ônyx Lorenzoni, que mostrou uma foto de Altman ao lado de José Dirceu para confirmar que era ele mesmo a pessoa a quem ela se referia.

Quadrado era sócio da corretora Bônus-Banval que atuou para distribuir dinheiro do mensalão. Ele foi condenado a pagar 300 salários mínimos, além de prestar serviços comunitários. Quadrado foi quem apresentou Meire a Alberto Youssef. Segundo Meire, o restante do dinheiro para quitação da multa continuaria sendo paga por Altman.

Foi por meio de Enivaldo que Meire diz ter conhecido Youssef e ter começado a trabalhar para o doleiro, investigado na Operação Lava Jato da Polícia Federal.

OUTRO LADO

Procurado, o jornalista afirmou que tem relações com Enivaldo Quadrado desde os anos 90 e que ele foi duas vezes a sua casa acompanhado de Meire Poza, apresentada como "amiga e contadora". "O motivo desse encontro, solicitado por mim, foi obter assessoria contábil para exportação de serviços, pois realizo - como jornalista e consultor - muitas atividades no exterior", diz Altman.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave