Presidente da Câmara de Confins responderá por falsidade ideológica

Vereador e outras três pessoas responderão também por organização criminosa, concussão, corrupção passiva e fraudes em pregões; delegado responsável pelo caso entregou inquérito à Justiça

iG Minas Gerais | CAMILA KIFER |

O presidente da câmara municipal do município de Confins, na Grande BH, vereador Aladir José Pessoa de Souza (PTB), irá responder e outras três pessoas irão responder pelos crimes falsidade ideológica, organização criminosa, concussão, corrupção passiva e fraudes em licitações. Conforme informações da Polícia Civil, as penas somadas podem chegar a 37 anos de prisão.

O vereador foi detido no dia 29 de setembro na companhia de Mauro José Custódio da Cruz e Leonardo Gomes de Araújo. Todos foram flagrados em uma reunião realizada no pátio da prefeitura, minutos antes do pregão que aconteceria no local.

Segundo o delegado Jonas Tomazi, o inquérito que reúne todas as provas arrecadas durante as investigações foi entregue à Justiça. Ele destaca, no entanto, que as investigações continuam a fim de calcular os prejuízos causados à administração pública e visando descobrir outros possíveis integrantes da organização criminosa.

Esquema

O vereador Aladir era proprietário de empresas fornecedoras de produtos e serviços e participava de licitações em Confins, que eram burladas mediante acordo entre os licitantes para que sua empresa vencesse o certame público.

As reuniões ocorriam antes do início do pregão para apresentação das propostas, no próprio pátio da Prefeitura Municipal, momento em que os resultados eram combinados. Antes mesmo de a licitação iniciar, os autores já sabiam quem ganharia o certame.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave