Luis Alvaro critica Damião no Santos: 'Não faz gol'

Ex-presidente do clube disparou contra jogador e contra gestão que o sucedeu

iG Minas Gerais | Agência Estado |

Santos/Divulgação
undefined

Contratado por R$ 42 milhões no começo do ano com o apoio da empresa Doyen Sports, Leandro Damião vem dando mais dores de cabeça do que gols à diretoria do Santos. Sem conseguir marcar e com atuações abaixo do esperado, o atacante desaponta a torcida a cada jogo, inclusive Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro. Em coletiva, realizada no Bar São Domingos, na Vila Madalena, em São Paulo, o ex-presidente do clube não poupou críticas ao jogador e à atual gestão, comandada por seu sucessor, Odílio Rodrigues.

Para justificar suas críticas ao atacante, Laor citou Geuvânio. "Ele teve contrato renovado, foi eleito a revelação do Campeonato Paulista, e de repente é sacado do time, porque tinha que colocar um jogador contratado a peso de ouro, que tinha que se justificar perante a torcida. Hoje nós temos um medalhão, comprometendo o fluxo do caixa, e ainda temos que pagar esse vínculo. E a dívida só será totalmente paga no final de 2017. Não há time que resista a ter um centroavante que não marca gol, que não pula mais de 10 centímetros do solo e ganhando o que ganha", disse. "Você contratar um jogador desse por R$ 42 milhões não faz o menor sentido. Que é esquisito, é", completou.

De acordo com o ex-presidente, a contratação de Damião relembrou os anos iniciais de Marcelo Teixeira, quando este assumiu o mandato do clube no início da década de 2000. "Essa política transloucada de trazer jogador meia boca com salários de craques foi o que aconteceu com o ex-presidente. Ele saiu contratando Carlos Germano, Rincón, Marcelinho Carioca e Márcio Santos a salários estratosféricos. O resultado foi que o Santos esteve literalmente quebrado e ele foi obrigado a vender jogadores jovens, com identificação com o clube e a torcida", afirmou.

Luis Alvaro esteve presente no evento para apoiar a candidatura oficial à presidência do Santos de Fernando Silva, que foi superintendente de seu mandato entre 2010 e 2011. Entendendo que a negociação foi prejudicial, o candidato possui esperanças em Damião para que ele possa deixar o clube ainda no fim deste ano e diminuir a alta folha salarial da equipe, que culminou em atrasos de pagamento nos últimos dias.

"Logicamente teremos um orçamento. A gente não pode gastar mais do que recebe. Quando assumimos em 2010, pegamos salários altos e fomos negociando jogadores, como o Rodrigo Souto, o Léo e o Fabio costa. Vamos torcer para o Leandro Damião fazer gols, ser artilheiro do Brasileiro e que valha 10 milhões de euros, para que o nosso prejuízo seja só de 4 milhões de euros", disparou.

Apesar da declaração, o candidato apoiado por Laor diz que não é sua intenção simplesmente dispensar o centroavante. Dizendo que acha que o jogador valia cerca de 7 milhões de euros em seu auge Fernando Silva critica o preço pago pelo Santos. "Quando o Damião sai da seleção brasileira e se machuca, o Santos contrata ele. Ele é apenas um jogador, o que está errado é o preço dele", afirma.

Outro nome forte no conselho do clube e que apoia Fernando Silva o secretário de Esportes da Cidade de São Paulo, Celso Jatene, também esteve presente no evento e revelou que em conversa informal com um conselheiro, ficou sabendo que o jogador chegou ao Santos sem estar 100% fisicamente. "Encontrei um amigo meu, que é diretor, e que me disse que além de tudo, ele veio bichado. O Inter não aceitou fazer os exames médicos no jogador. E como você contrata um jogador por R$ 42 milhões sem fazer exame médico?", questionou o vereador, sem revelar o nome de sua fonte.

Leia tudo sobre: luis alvarodamiãosantosgoljogadorpreçocontrataçãolesãotorcida