Maioria dos deputados do PSB defendem apoiar Aécio, diz Albuquerque

Os defensores do tucano afirmam ter a maioria dos votos para aprovar a adesão, um dos passos previstos para que Marina também assuma publicamente a defesa da candidatura do PSDB

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Executiva Nacional do PSB, o partido de Marina Silva, está reunida nesta quarta-feira (8) para definir se irá ou não declarar apoio a Aécio Neves (PSDB) no segundo turno das eleições presidenciais.

Os defensores do tucano afirmam ter a maioria dos votos para aprovar a adesão, um dos passos previstos para que Marina também assuma publicamente a defesa da candidatura do PSDB.

Aliado histórico do PT até o ano passado, o PSB rompeu com o governo Dilma Rousseff e acusa a presidente de ter patrocinado uma campanha de mentiras contra Marina. A própria ex-candidata deixou clara sua insatisfação com Dilma e sinalizou que apoiará Aécio.

Para isso, contudo, os partidos da sua coligação estão decidindo separadamente a adesão, antes do anúncio da ex-senadora. O PPS já fez isso.

Marina apresentará a Aécio uma série de exigências, como a defesa da pauta de reivindicações do setor indígena, dos sem-terra, além de se comprometer com mais investimento na saúde e educação, entre outros pontos.

Na entrada do evento, o vice de Marina, Beto Albuquerque (PSB-RS), afirmou que 28 dos 34 deputados federais eleitos do partido defendem a adesão a Aécio. "Nós éramos a proposta no 1º turno. No 2º turno, temos que fazer a exclusão de quem a gente não quer", afirmou Albuquerque. Os apoiadores de Aécio calculam que a adesão à candidatura do tucano será aprovada por 17 votos contra 10 na Executiva do PSB.

Já na entrada da sede do PSB, em Brasília, pessebistas pregaram folhas com os dizeres: "Aqui o socialismo resiste. #nenhumvotonoPSDB". Um dos contrários ao apoio ao tucano é o presidente do partido, o ex-ministro Roberto Amaral.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave