Arrecadação poderia ser maior se tivesse concorrência pública

Publicitários ouvidos pela reportagem acreditam que, se houvesse uma concorrência pública naquela época, esse preço poderia chegar a R$ 310, ou seja, 19% maior do que o praticado

iG Minas Gerais | bernardo miranda |

A média da arrecadação anual com a mídia na traseira de ônibus foi de R$ 7 milhões, levando em conta a auditoria da EY. Porém, essa quantia poderia ser mais alta se houvesse licitação. É que empresários do setor de publicidade acreditam que o preço que seria pago pela empresa vencedora superaria esse montante. Segundo a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), esse valor entra na conta das receitas do sistema e ajuda a reduzir os custos de operação e, consequentemente, o preço da passagem.

Em 2009, o valor cobrado pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) para vender o uso da publicidade nos coletivos era de R$ 260 por ônibus, determinado por uma portaria da BHTrans. Publicitários ouvidos pela reportagem acreditam que, se houvesse uma concorrência pública naquela época, esse preço poderia chegar a R$ 310, ou seja, 19% maior do que o praticado. Se esse preço estivesse em vigor, a arrecadação média anual aumentaria R$1,3 milhão, passando de R$ 7 milhões para 8,3 milhões. Esse valor a mais arrecadado daria para renovar a vigilância particular nas estações do Move. Como O TEMPO mostrou nesta terça, o serviço vigorou até julho, mas não foi prorrogado. Além disso, seria possível bancar o benefício do meio-passe para mais 2.300 alunos da rede pública. Em 2013, 8.400 estudantes eram beneficiados pelo sistema.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave