Estacionamento irregular opera há quase seis anos

Pátio clandestino cobra menos que rotativo e conquista clientes no Vila da Serra

iG Minas Gerais | Camila Bastos /Johnatan Castro |

Concorrência. Vagas ocupadas clandestinamente (ao centro) ficam ao lado de pátio regular (dir.)
Lincon Zarbietti / O Tempo
Concorrência. Vagas ocupadas clandestinamente (ao centro) ficam ao lado de pátio regular (dir.)

Há quase seis anos, um estacionamento clandestino funciona livremente na rua da Passagem, no bairro Vila da Serra, em Nova Lima, na região metropolitana. Instalado às margens de uma ferrovia e exatamente ao lado de um posto da empresa Rotativo Nova Lima – credenciada pela prefeitura para fazer o controle das vagas de toda a cidade –, o pátio irregular caiu no gosto dos trabalhadores da região por ter um preço bem mais em conta que o cobrado oficialmente. O dono, que se identificou apenas como Valter, 51, admite que nunca buscou um contrato de concessão e que jamais obteve alvará de funcionamento.

Valter explica que está na rua da Passagem há seis anos e que, após cerca de um ano trabalhando como flanelinha, resolveu utilizar o terreno, até então ocioso, para montar o estacionamento. No espaço, cabem cerca de 35 carros, e os motoristas dão gorjetas para pagar pela vaga. Ele ainda mandou colocar brita em uma parte do lote e montou um barraco de madeira, que usa para dormir durante a semana. “Eu trabalho aqui há muito tempo, e o pessoal me conhece. De vez em quando, um guarda municipal vem aqui, mas não acontece nada”, disse. Entre os clientes, não existe preocupação em relação a danos aos carros ou a roubos. A estagiária de enfermagem Franciely Leles, 19, trabalha em um hospital da rua há oito meses e para seu carro no estacionamento clandestino. “Acaba que ele bebe muito e não olha os carros direito. Mas nunca aconteceu nada, até porque a rua é bem movimentada. As pessoas acabam parando lá porque o estacionamento na rua é muito caro”, afirmou. Rotativo. Para estacionar na rua ou no pátio que o Rotativo Nova Lima mantém em um terreno também às margens da ferrovia, o condutor desembolsa R$ 2,60 a cada hora. Na rua da Passagem, diversos fiscais tomam conta das vagas rotativas. O diretor do Rotativo Nova Lima, Hassan Zagheloul, afirma já ter denunciado os clandestinos à prefeitura. “A gente cobra, mas eles (a prefeitura) trabalham no ritmo deles”, diz. Zagheloul explica que a área onde os estacionamentos estão instalados é considerada uma divisa entre os municípios de Nova Lima e de Belo Horizonte, mas garante que a empresa está em terreno da Prefeitura de Nova Lima.

Resposta Providências. Procurada pela reportagem, a Prefeitura de Nova Lima afirmou “que já está tomando as providências” em relação ao estacionamento, que “de fato se encontra em situação irregular”.

Saiba mais

Rotativo. De acordo com a empresa Rotativo Nova Lima, que explora o serviço de estacionamento da cidade, o contrato com a prefeitura foi assinado em 2009 e tem vigência de dez anos. Os motoristas pagam R$ 2,60 por hora, e o dinheiro é cobrado por monitores ou por parquímetros que aceitam tanto bótons quanto moedas. História. Pessoas que trabalham na rua da Passagem contam que, há três anos, antes da operação do Rotativo Nova Lima, havia atividade intensa de flanelinhas e muitos furtos de carros no local.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave