Coe critica indicação de Gatlin a prêmio de atletismo

Por doping, velocista chegou a ficar quatro anos suspenso. Em 2006, o exame acusou excesso de testosterona

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Na Itália, a vitória foi com o tempo de 9s91, quatro centésimos acima do seu recorde no ano
Justin Gatlin Oficial/reprodução
Na Itália, a vitória foi com o tempo de 9s91, quatro centésimos acima do seu recorde no ano

O ex-atleta Sebastian Coe, um dos vice-presidentes da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês), declarou ter "grandes problemas" para acompanhar a decisão da entidade de incluir o velocista norte-americano Justin Gatlin, que já deu positivo em exame antidoping, na lista de indicados ao prêmio de atleta do ano. 

Gatlin ficou quatro anos suspenso por doping. Por isso, a sua inclusão na lista de dez nomes provocou reclamações, inclusive de concorrentes, como o do alemão Robert Harting, campeão olímpico do lançamento de disco, que pediu para ter o seu nome removido da relação.  "Eu acho que você ficaria muito surpreso se eu sentasse aqui e estivesse otimista sobre isso", disse Coe, ao ser questionado nesta terça-feira sobre a indicação de Gatlin. "Eu, pessoalmente tenho grandes problemas com isso", completou o dirigente, que presidiu o Comitê Organizador da Olimpíada de Londres/2012.  A votação está aberta até 16 de outubro para atletas, dirigentes federações e jornalistas e decidirá os três finalistas do prêmio. Além de Gatlin, outros nomes de destaque presentes na relação de dez nomes são o queniano Dennis Kimetto, recordista mundial da maratona, e o francês Renaud Lavillenie, recordista mundial indoor do salto com vara. Os vencedores serão escolhidos pelo Conselho da IAAF no dia 21 de novembro.  Gatlin, medalha de ouro na prova dos 100 metros na Olimpíada de 2004, testou positivo por excesso de testosterona em 2006, e voltou a competir em 2010, depois de cumprir sua suspensão. Neste ano, o norte-americano, de 32 anos, fez os melhores tempos do mundo nos 100 metros, com 9s77, e nos 200 metros, com 19s68.

Leia tudo sobre: dopingSebastian CoeJustin Gatlinatleta do anoprêmiopolêmicavelocistaIAAF