Beckenbauer pede publicação de texto sobre corrupção

Ex-jogador e atual assessor especial do Comitê de Futebol da Fifa afirmou não estar envolvido no caso de suborno nas eleições da Rússia e Catar como sedes

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Lenda do futebol não só alemão, mas mundial, disse que o orgulho catalão foi ferido
Divulgação
Lenda do futebol não só alemão, mas mundial, disse que o orgulho catalão foi ferido

Franz Beckenbauer pediu nesta terça-feira que o relatório sobre a investigação sobre supostos casos de corrupção no processo de escolha das sedes da Copa do Mundo de 2018 e de 2022 seja publicado, além de garantir que não recebeu suborno antes da votação. O ex-jogador alemão deixou o Comitê Executivo da Fifa apenas alguns meses depois das escolhas de Rússia e Catar como sede dos torneios de 2018 e de 2022, em votação realizada em dezembro de 2010.

Beckenbauer continua ativo na Fifa, mas chegou a ser suspenso em junho pelo comitê de ética de toda atividade relacionada ao futebol por não cooperar com a investigação de corrupção do promotor Michael Garcia. A suspensão foi cancelada após ele se comprometer a responder às perguntas que lhe fossem feitas.

Beckenbauer, que venceu a Copa do Mundo como jogador e treinador com a Alemanha Ocidental, se recusou a revelar em quem ele votou mas garante que não recebeu qualquer incentivo financeiro ou suborno.

"Ninguém me ofereceu nada, a fim de influenciar o meu voto. Não. Isso não aconteceu", disse Beckenbauer, em Londres, nesta terça-feira. "Quanto ao voto, não posso dizer nada porque era uma votação secreta e eu tenho que respeitar este acordo feito na época".

Beckenbauer disse que não consegue entender por que o presidente da Fifa, Joseph Blatter, deseja que o relatório do Garcia permaneça em segredo, se negando a aceitar os pedidos para que seja publicado.

"Pessoalmente não há nada a esconder", disse Beckenbauer, que é assessor especial do Comitê de Futebol da Fifa. "Se você não tem nada a esconder, você pode publicar e divulgar o seu conteúdo".

Beckenbauer também questionou a escolha do Catar como sede da Copa do Mundo de 2022 em razão do forte calor do verão do país, o que, inclusive, tem levado a Fifa a estudar uma mudança de data.

"Fiquei surpreso que o Catar ganhou", disse Beckenbauer. "No verão não é possível jogar futebol lá, apesar do fato de o Catar ter desenvolvido um sistema de resfriamento dos estádios a fim de criar temperaturas mais confortáveis. Tecnicamente é possível mas é necessário? Isso desperdiça muito energia, a minha sugestão seria jogar no inverno".

Leia tudo sobre: franz beckenbauerfifacorrupçaocopa da russia2018copa do catar2022