Estado Islâmico domina parte da cidade curda de Kobani

A facção conquistou vários edifícios para ganhar posições no ataque pelos dois lados da cidade

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Combatentes do Estado Islâmico avançaram para o sudoeste da cidade curda de Kobani durante a noite, disse nesta terça-feira (7) a ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos, que monitora o conflito na Síria. A facção conquistou vários edifícios para ganhar posições no ataque pelos dois lados da cidade, que fica na fronteira com a Turquia.

A perspectiva de que Kobani caia em mãos dos militantes que a cercam há três semanas aumentou a pressão sobre a Turquia para se juntar a uma coalizão internacional liderada pelos EUA que combate o Estado Islâmico.

Do lado da fronteira turca, duas bandeiras do Estado Islâmico podiam ser vistas sobre o lado leste de Kobani. Dois ataques aéreos atingiram a área e tiroteios esporádicos podiam ser ouvidos.

Combatentes do Estado Islâmico estavam usando armas pesadas e lançando projéteis no avanço sobre Kobani, disse a oficial do alto escalão curdo Asya Abdullah à Reuters, falando de dentro da cidade.

"Ontem houve um confronto violento. Lutamos arduamente para mantê-los fora da cidade ", disse ela por telefone. "Os confrontos não estão em toda a Kobani, mas em áreas específicas, nos arredores e em direção ao centro."

O Estado Islâmico ampliou sua ofensiva nos últimos dias contra a cidade fronteiriça de maioria curda, apesar de ter sido alvo de bombardeios da coalizão para deter o seu avanço.

Os aviões da coalizão atacaram novamente nesta terça-feira as posições controladas pelo Estado Islâmico no sudoeste de Kobani.

O grupo quer conquistar Kobani para consolidar a conquista de território no norte da Síria e do Iraque.

"Houve confrontos durante a noite e o EI está avançando pelo sudoeste. Eles entraram em Kobani e controlam alguns prédios", disse o diretor do OSDH.

Cerca de 180 mil pessoas já fugiram da região de Kobani para a Turquia devido à ofensiva do Estado Islâmico.

Antes, a região abrigava diversos refugiados da guerra civil do país, que já dura mais de três anos, com diversos grupos rebeldes lutando pela queda da ditadura de Bashar al-Assad.

TURQUIA

Kobani está prestes a cair nas mãos dos radicais islâmicos, declarou nesta terça-feira o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que considera necessária uma operação militar terrestre para deter o Estado Islâmico.

"O terror não vai parar até cooperarmos para uma operação terrestre", declarou Erdogan ante refugiados sírios em um acampamento de Gaziantep, no sul do país. O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, disse em entrevista à CNN que o país está pronto para cooperar se houver uma estratégia clara e garantias de que a fronteira estará protegida mesmo com a saída do Estado Islâmico.

"Nós não queremos mais o regime [de Assad] na nossa fronteira empurrando as pessoas para a Turquia. Não queremos outras organizações terroristas, se o Estado Islâmico for embora, outras organizações radicais podem vir", disse.

MORTES Ao menos 400 pessoas foram mortas durante três semanas de confrontos entre o Estado Islâmico e combatentes curdos dentro e ao redor da cidade de Kobani, segundo o OSDH. A cifra de mortos inclui combatentes de ambos os lados e também civis.

A organização afirmou ter documentado 412 mortes a partir de fontes no terreno, mas o número real seria provavelmente o dobro.

Folhapress

Leia tudo sobre: Estado IslâmicoKobaniataques