Nomes do governo podem ficar

Governador eleito pretende formar equipe com pessoas que estiveram com ele na prefeitura

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda e Carla Kreefft |

Tranquilidade. Fernando Pimentel aposta em uma transição de governo tranquila e lembra que tem boa relação com Alberto Pinto Coelho
Uarlen Valério
Tranquilidade. Fernando Pimentel aposta em uma transição de governo tranquila e lembra que tem boa relação com Alberto Pinto Coelho

Poucas horas após as urnas mostrarem uma vitória de Fernando Pimentel (PT) em primeiro turno, a campanha do petista e seus aliados começaram a trabalhar pela formação da equipe de transição e a negociar a composição do novo secretariado de governo em Minas. Além de nomes que acompanham o petista desde antes da Prefeitura de Belo Horizonte, entre eles Helvécio Magalhães, Marco Antônio Rezende, Murilo Valadares e Mauro Borges (veja infografia), como mostrou ontem O TEMPO, a novidade é que Pimentel poderá manter quadros técnicos que há alguns anos ocupam cargos de carreira no governo do PSDB.

Segundo uma liderança ligada à campanha, as conversas internas no PT já começaram, mas a tendência é que se leve muito em conta os partidos aliados, em especial o PMDB. Os peemedebistas já teriam pleiteado ao menos três pastas. “O Estado tem bons quadros, independentemente de preferências partidárias”, avalia. PCdoB e PRB também devem contar com ao menos uma secretaria, além de subsecretarias.

A equipe de transição deverá ser formada ainda nesta semana e terá como integrantes nomes de confiança de Pimentel e com potencial para auxiliar no governo a partir de 2015. Ontem, em entrevista exclusiva a O TEMPO poucas horas após a apuração dos votos, o novo governador disse esperar que não haja dificuldade para tomar conhecimento da situação do Estado.

“A transição vai ser tranquila. Tenho uma excelente relação pessoal com o governador Alberto Pinto Coelho (PP), meu vice, Antônio Andrade (PMDB), também. Vamos procurar o governo nesta semana para começar a transição”, declarou.

O petista ainda sinalizou que pretende procurar nomes de diversos partidos, incluindo aqueles que não apoiaram sua eleição. “Passado o período eleitoral, os adversários não são mais adversários”, ressaltou Pimentel, evitando citar os partidos que terão prioridade.

Negociação. Dentro da nova chapa eleita para comandar o Estado, Antônio Andrade também será o responsável por desempenhar o papel de articulação junto aos deputados e, consequentemente, vai ajudar a definir os espaços que os partidos terão direito na gestão petista.

Outra informação certa dentro do PT é que nenhum nome de fora de Minas será chamado pelo novo governador para assumir áreas. As indicações para as vagas ainda deverão levar em conta mudanças nas bancadas da Assembleia Legislativa e da Câmara dos Deputados. Pelo menos três parlamentares poderão desempenhar funções no Executivo, e não nas casas Legislativas para as quais foram eleitos.

Entre eles estão o mais votado nestas eleições, o ex-presidente do PT de Minas, Reginaldo Lopes, e o presidente do partido em Belo Horizonte, Miguel Corrêa. Na Assembleia, o deputado Paulo Guedes foi o mais votado e já esta cotado para ser o presidente da Casa. Os deputados estaduais não deverão ser convocados para a equipe de governo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave