Crivella diz que vai fazer auditoria nas contas do governo, se eleito

Candidato do PRB ficou em segundo lugar nas votações e disputará governo do Rio com Luiz Fernando Pezão (PMDB) no segundo turno

iG Minas Gerais |

O candidato do PRB ao governo do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, segundo colocado na votação deste domingo, prometeu fazer uma auditoria nas contas, contratos e licitações do atual governo, dirigido por Luiz Fernando Pezão, candidato à reeleição, que teve o dobro dos votos de Crivella. Em sua primeira entrevista após ter sido confirmado no segundo turno, no próximo dia 26, desbancando o até então favorito Anthony Garotinho (PR), Crivella também criticou os gastos dos demais candidatos nestas eleições, principalmente em material de campanha e cabos eleitorais.

“Fica aqui minha primeira promessa de campanha. Vamos fazer com que todos os contratos, concessões e permissões sejam discutidos. Até porque quem defendia as concessionárias e permissionárias era a esposa do (ex-)governador (Sérgio Cabral). Nós vamos tomar todas as atitudes em favor do interesse público”, disse Crivella.

Ele obteve 1.619.165 votos (20,26% do total de votos válidos), apenas 42.654 à frente de Garotinho, que ficou com 19,73%, enquanto o candidato à reeleição conseguiu 40,57%. Crivella disse que buscará, já a partir desta segunda-feira, apoio em todos os partidos que se interessarem em formar alianças.

Crivella reafirmou que manterá o projeto das unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), principal iniciativa na área de segurança do governo Cabral-Pezão. "As UPPs são uma conquista, e serão mantidas. Mas não estarão submetidas a interesses eleitorais, interesses menores. O governo que passou espalhou UPPs por todo o canto, sem qualquer estrutura, e elas precisam ser seguidas por ações sociais".

O candidato, que é senador e forma a base de apoio da presidenta Dilma Rousseff, disse que vai buscar o apoio da chefe do Executivo federal, e até cunhou um apelido para a união política na campanha. “Será o Dilmela”, em alusão ao nome dos dois, adiantou. Ele mandou aviso ao governador do Estado, seu adversário no segundo turno, que é preciso passar o atual governo à limpo. “Pezão que se prepare”, alertou.

Agência Brasil

Leia tudo sobre: eleições 2014políticario de janeiro