Correios negam acusações de sindicato em MT

Empresa afirmou que o diretor promoveu as ações em caráter particular

iG Minas Gerais | Da Redação |

Os Correios negaram, em nota, acusação do sindicato que representa servidores da empresa em Mato Grosso. O sindicato entrou com representação na Justiça Eleitoral sobre suposto uso da estrutura da instituição para favorecer a candidatura da presidente Dilma Rousseff (PT) e de outros candidatos no Estado.   Segundo o sindicato, o diretor regional da instituição, Nilton do Nascimento, teria usado indevidamente o banco de dados funcional da entidade para enviar cartas com pedidos de voto a todos os 1.700 funcionários da instituição no Estado. A empresa negou e afirmou que o diretor promoveu as ações em caráter particular. "Não procedem as informações. Não houve uso da infraestrutura pública para o envio. Foram enviadas apenas 670 malas diretas locais e estaduais, para pessoas conhecidas de Nilton do Nascimento. O envio ocorreu na condição de cidadão -a postagem foi paga com recursos particulares. O preço de cada unidade variou entre R$ 0,77 (estadual) e R$ 0,72 (local), conforme a tabela vigente. Não houve operação especial para a entrega e os objetos seguiram o fluxo postal previsto para esta modalidade de serviço", diz a nota da assessoria de imprensa dos Correios.   "Quanto à participação do diretor na reunião, ocorreu no período noturno, fora dos Correios e não utilizou qualquer recurso da instituição. A participação do profissional, como cidadão, nessa ou em outra atividade, fora do âmbito dos Correios e fora do seu expediente de trabalho, diz respeito à pessoa e não à empresa", afirma os Correios.   "Não procedem as informações de perseguição a funcionários. Eventuais processos de sindicância são realizados conforme as normas internas existentes e oferecem amplo direito ao contraditório", finaliza a instituição.

Leia tudo sobre: Correiosacusaçõessindicato