‘Os alunos dão a alma para escrever’, avalia professora

iG Minas Gerais |

A estrutura do encontro promovido pelas escolas participantes do Intercâmbio Cultural BH-Jabó, no último dia 27, exemplifica o envolvimento dos educadores com a proposta. Cerca de R$ 100 mil foram gastos durante todo o ano com as trocas de cartas e com o evento. Vinte e cinco ônibus foram usados para transportar os estudantes, um bufê forneceu a alimentação e mais de 5.000 copos de água foram consumidos. O custo foi dividido entre as nove escolas participantes.

Os estudantes da capital foram responsáveis por receber os alunos da região metropolitana. As 3.500 pessoas se reuniram em um espaço cedido por uma universidade. O dia foi preenchido com apresentações artísticas e muita conversa entre os participantes.

“Os alunos dão a alma para escrever, motivados por estarem escrevendo para um leitor real. Eles realmente mostram quem são. Essa foi a melhor forma de incentivar os alunos a escrever de forma autônoma e criativa”, afirma a idealizadora do projeto, a professora de português Ilma Pereira Nunes Moreira, 46.

“Hoje nós precisamos lidar sempre com o ‘internetês’, e os alunos escrevem sempre com aquelas abreviações. Com a carta, eles têm uma preocupação maior em escrever de maneira correta”, completa a professora Ilma.

Uma das mais animadas, Naracelia Matos, 14, conta que pensou que sentiria vergonha ao conhecer o seu correspondente, mas logo depois se soltou. “Dei um abraço nele e conversei bastante”. (JHC)

Abrangência

Participantes. Em 18 anos de intercâmbio cultural, mais de 20 mil alunos das redes municipal e estadual de ensino trocaram correspondências. A idealizadora diz querer ampliar o número.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave