Prestação de Dilma não consta pagamento aos Correios, diz Aécio

Na última semana, a presidente havia se defendido das acusações de uso da máquina pública afirmando que, ao contrário das denúncias, o uso dos Correios não era ilegal

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O presidenciável do PSDB, senador Aécio Neves (MG), engrossou as denúncias com os Correios na tarde desta sexta-feira (3), ao afirmar que material de sua campanha enviado pela Força Sindical para aposentados em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro não foram entregues aos destinatários. Segundo o presidente licenciado da entidade, deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD), a Força estuda tomar "medidas jurídicas" contra os Correios, além de pedir o "ressarcimento" do pagamento pelo serviço, cujo valor não soube informar.

"A gente mandou as cartas para endereços de pessoas próximas, que nos disseram que não receberam. A gente já esperava isso. Vamos pedir o ressarcimento", afirmou Paulinho da Força, que é aliado formal de Aécio e integra a coordenação política da campanha tucana. "Isso é algo extremamente grave", avaliou Aécio durante visita à Pedreira Prado Lopes, uma das maiores favelas de Belo Horizonte.

O PSDB pediu à Justiça Eleitoral que instaure ação de investigação judicial eleitoral (AIJE) para apurar abuso de poder econômico e político por causa do uso da estrutura dos Correios em benefício da candidatura de Dilma Rousseff. Segundo a campanha tucana, parte de dois lotes de 11,4 milhões de correspondências de Aécio e do candidato da legenda ao governo de Minas, Pimenta da Veiga, enviados em agosto e setembro não teria sido entregue.

Aécio ainda cobrou de Dilma "explicações" sobre o pagamento de material da campanha petista sem chancela distribuído pelos Correios em São Paulo, conforme mostrou o Estado. Os Correios afirmaram que o serviço foi regularmente contratado e pago à vista pela campanha de Dilma. "Quero dar à senhora presidente da República a oportunidade de prestar esse esclarecimento. Tive o cuidado de examinar a prestação de contas da candidata Dilma Rousseff. E a prestação de contas de 2 de setembro, onde deveriam constar todos os pagamentos feitos até 31 de agosto, não consta nenhum pagamento para a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT)", disparou o tucano.

Aécio tem investido a maior parte de seu tempo em Minas para tentar alavancar a candidatura de Pimenta da Veiga. Pelas últimas pesquisas eleitorais, o tucano tem chance de ser derrotado em primeiro turno pelo ex-ministro Fernando Pimentel (PT). "O Brasil assiste a um vergonhoso vale-tudo para se ganhar uma eleição. E esse vale-tudo infelizmente ameaça chegar a Minas Gerais. Não vamos permitir que esse modo de agir do PT alcance as nossas empresas. Não queremos que a Cemig vire uma nova Petrobras e que a Copasa vire um novo Correio, com escândalos sucessivos", concluiu.

Segundo turno

Em leve ascensão nas pesquisas de intenção de voto, Aécio preferiu não revelar se, em caso de segundo turno, faria algum tipo de aliança com Marina Silva (PSB).

"Tenho um enorme respeito por todas as candidaturas, e em especial pra da Marina, que disputa competitivamente e de forma democrática. Eu quero muito estar no segundo turno, então, por isso, só comentaria sobre ele quando estiver tudo definido" disse.

 

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave