Empresa de Eike prevê sobrevida de três meses de campo de petróleo

A companhia controlada pelo empresário ainda produz cerca de 3 mil barris de óleo por dia no campo, localizado na Bacia de Campos; o volume está 25% abaixo da média do primeiro semestre

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Ogpar, ex-OGX, prevê uma sobrevida de três meses do campo de Tubarão Azul, do qual esperava extrair petróleo somente até setembro.

A companhia controlada por Eike Batista ainda produz cerca de 3 mil barris de óleo por dia no campo, localizado na Bacia de Campos. O volume está 25% abaixo da média do primeiro semestre. A expectativa da empresa, no segundo trimestre, era de esgotar as reservas óleo do reservatório, um dos dois da companhia em produção, depois de setembro.

Caso a previsão de sobrevida se confirme, a receita adicional proporcionada por Tubarão Azul -mantida a produção em 3 mil barris por dia- seria de cerca de R$ 65 milhões no último trimestre do ano, ou o equivalente a quase 13% da receita do 1º semestre. A empresa ainda não divulgou o balanço do 3º trimestre.

Considerados os dados disponíveis no balanço do 2º semestre, a Ogpar teria, ao longo do último trimestre do ano, custos com leasing e operação da ordem de R$ 26 milhões em Tubarão Azul. A empresa não revelou o motivo pelo qual o reservatório continua produzindo. O campo é operado pela plataforma OSX-1, de propriedade de subsidiárias do estaleiro OSX, também controlado por Eike Batista. A plataforma encontra-se arrestada por força de uma decisão da 39ª Vara Cível do Rio.

Histórico

Tubarão Azul teve a produção iniciada em 2012, mas dificuldades operacionais levaram a então OGX a interromper a produção no ano passado. A área chegou a ter três poços, mas a produção não se manteve constante. A extração de petróleo foi retomada em fevereiro, com apenas um poço em operação.

Entre 2011 e 2012, a OGX dizia que Tubarão Azul tinha reserva potencial de 110 milhões de barris e previu produzir ali até 40 mil barris por dia. A empresa reconhece que a reserva tem, na verdade, 6 milhões de barris, dos quais já foram extraídos cerca de 5,8 milhões.

O outro reservatório em produção da empresa é o Tubarão Martelo, também na Bacia de Campos. Atualmente são extraídos 14,5 mil barris de quatro poços no campo. Outros dois poços estão sendo feitos e devem entrar em produção no fim de 2015, prevê a companhia.

A produção de Tubarão Azul equivale a 0,15% da produção diária de petróleo da Petrobras no Brasil, de pouco mais de 2 milhões de barris. Já Tubarão Martelo produz o equivalente a 7% da produção diária de óleo da concorrente estatal no país. A Ogpar está em recuperação judicial.

Arresto

Tanto a plataforma que opera em Tubarão Azul quanto a de Tubarão Martelo tiveram o arresto decretado pela Justiça do Rio nesta semana. O arresto, decretado pelo juiz Luiz Antonio Valiera do Nascimento, da 39ª Vara Cível, atendeu a pedido da empresa Acciona, que afirma ter R$ 300 milhões a receber da OSX Brasil.

As plataformas pertencem à OSX Leasing, que não está em recuperação judicial. A OSX é subsidiária de outra empresa controlada pela OSX Brasil. As unidades foram dadas como garantia à Acciona. Segundo a sentença, a "OSX Leasing deu demonstração inequívoca de que pretende alienar seus bens".

A Ogpar disse que o arresto "não muda a vida" da empresa, que paga aluguel ("leasing") pelas duas plataformas. A repórter visitou a plataforma OGX-3, em operação no campo de Tubarão Azul, a convite da Ogpar.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave