Indicador de custo da energia sobe 4,4% em outubro, segundo ONS

Na região Sul, o valor do custos marginais de operação (CMO) voltou a descolar dos demais mercados e foi estabelecido em R$ 429,10/MWh

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) divulgou, nesta sexta-feira (3) o indicador de custos marginais de operação (CMO) para o período de 4 a 10 de outubro, com elevação para os submercados Sudeste/Centro-Oeste, Nordeste e Norte. O CMO médio semanal nessas regiões passou de R$ 664,12/MWh para R$ 693 49//MWh, uma variação de 4,4%.

Na região Sul, o valor do CMO voltou a descolar dos demais mercados e foi estabelecido em R$ 429,10/MWh. O valor é 38,1% inferior ao estabelecido para as demais regiões e 35,4% inferior aos R$ 664,12/MWh da semana anterior.

O CMO é uma referência da trajetória esperada para o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), indicador utilizado como referência de preço para a energia comercializada no mercado de curto prazo. O cálculo do PLD válido para o período considerado deve ser divulgado ainda nesta sexta pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Caso o PLD da região Sul também apresente descasamento em relação ao valor praticado nos demais mercados, empresas instaladas na região, como a Tractebel, podem sem prejudicadas em algumas operações de venda de energia em outros mercados.

O Informe do Programa Mensal de Operação (IPMO) publicado hoje pelo ONS mostra uma expansão importante na expectativa de chuvas no Sul do País. A previsão de Energia Natural Afluente (ENA) na região foi elevada de 129% da média de longo termo (MLT) para 188% da MLT.

A estimativa para as demais regiões é menos favorável. No caso do subsistema Sudeste, a previsão foi revisada de 89% para 77% da MLT de outubro. No subsistema Nordeste, a previsão caiu de 47% para 45% da MLT. A projeção para ENA de 83% na região Norte foi mantida.

Como a estimativa para a região Sudeste/Centro-Oeste foi menos favorável na última semana, o ONS reduziu de 22,3% para 21,5% a estimativa para o nível dos reservatórios ao final de outubro. A região Sudeste é considerada a caixa d'água do País, por concentrar aproximadamente 70% da capacidade nacional de armazenamento. Na última quinta-feira (2), o nível dos reservatórios no Sudeste estava em 24,99%.

No Sul, por outro lado, a nova projeção é de que os reservatórios encerrem o mês com 97,1% da capacidade, acima da previsão de 92,6% anunciada na sexta-feira passada e dos 82,22% de ontem. No Nordeste, a previsão foi revista de 16,1% para 15 7%. Já na região Norte, houve revisão de 34,7% para 33,7%. Ontem o nível dos reservatórios nas duas regiões estava em 21,55% e 41,35%, respectivamente.

Carga

O ONS também revisou a previsão da carga mensal no sistema nacional para o mês de outubro, que deverá ficar em 65.529 MW médios. O número é superior à estimativa anterior, de 65.218 MW médios para o mês. Caso confirmada a nova projeção, a carga terá crescimento de 1,7% na comparação com o mesmo mês de 2013, acima da projeção de 1,2% divulgada na sexta-feira 26 de setembro.

A principal mudança nas previsões do operador ocorreu no subsistema Nordeste, cuja carga deve crescer 4,7% na comparação entre meses de outubro. Na semana passada, a estimativa do ONS para a região era de +2,2%.

O ONS também elevou a estimativa para a região Sudeste, a principal consumidora do País, de 0,5% para 0,7%. Na região Sul, a estimativa foi mantida em 2,3%. Na região Norte, houve elevação de 1,9% para 2%.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave