Campanha contra o HPV imuniza 20% do público

Meta era proteger 80% das meninas entre 11 e 13 anos; adesão nacional foi de 18%

iG Minas Gerais | Johnatan Castro |

Adesão maior. Na primeira etapa da campanha, quando vacinação foi na escola, adesão chegou a 94%
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 28.3.2014
Adesão maior. Na primeira etapa da campanha, quando vacinação foi na escola, adesão chegou a 94%

A segunda etapa da campanha de vacinação contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV) terminou nesta terça-feira com um índice de adesão abaixo do esperado. Enquanto a previsão do Ministério da Saúde era imunizar 80% das meninas com idades entre 11 e 13 anos, em Minas esse índice estava até terça-feira em apenas 20,9%, segundo balanço do governo federal. Dados da Secretaria Municipal de Saúde mostraram que, em Belo Horizonte, 25.649 adolescentes receberam a vacina – 46% do público alvo da campanha. Em todo o país, apenas 18% da meta foi alcançada, com 884.045 jovens vacinadas.

A segunda dose da vacina veio seis meses após a primeira, que teve campanha realizada em março. As duas doses são essenciais para garantir a proteção contra o HPV até que as meninas recebam a terceira etapa da vacina, daqui a cinco anos. Após as três doses, a adolescente estará livre do câncer de colo do útero, terceiro tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama e do colo retal, e a terceira causa de morte de mulheres por câncer no Brasil, segundo o Ministério da Saúde.

Com a aplicação das vacinas nas escolas públicas, a primeira etapa de vacinação teve um resultado bem melhor que a segunda fase. Números do governo federal mostram que a cobertura chegou a 92% (4,5 milhões) no Brasil, a 94% (456.231) em Minas Gerais e a 87% (43.070) em Belo Horizonte.

Dessa vez, no entanto, o processo de imunização foi transferido para os centros de saúde. A Secretaria Municipal de Saúde não se posicionou sobre uma possível nova rodada da campanha, nas escolas. O secretário de Estado de Saúde, José Geraldo Prado, disse que está “em conversas” com os municípios e com o Conselho de Secretários Municipais de Saúde para, após fazer uma avaliação de qual o melhor caminho a seguir. “(Voltar às escolas) é uma estratégia definida pelo município. O que a gente pode é incentivar um caminho ou outro”.

Disponível. Apesar do fim da campanha de vacinação, as adolescentes que ainda não foram imunizadas podem procurar os centros de saúde levando um documento de identidade e o cartão de vacinação. O medicamento está disponível, gratuitamente, durante todo o ano.

Entenda

A doença. O HPV é um vírus altamente transmissível por meio de contato sexual genital, oral e até manual. Muitas vezes assintomática, a doença pode causar verrugas na genitália tanto em homens quanto em mulheres. A doença também provoca corrimento vaginal, sangramento e dor, principalmente após o ato sexual.

Diagnóstico. Se a lesão no colo do útero for diagnosticada precocemente, a chance de cura é grande, e a possibilidade de desenvolver câncer é mínima.

Imunização. Mulheres devem se submeter a exames preventivos anuais, feitos gratuitamente em todas as unidades básicas de saúde. A vacinação previne doenças como o câncer de colo de útero, segunda principal causa de morte pela doença entre mulheres no país. A vacina é mais eficaz em meninas que não iniciaram a vida sexual.

Prevenção. Como 30% dos tipos de vírus que causam o câncer não são evitados pela vacina, é imprescindível o uso do preservativo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave