Professor deixa cargo após alunos denunciarem racismo em Uberaba

Homem teria se exaltado e feito ofensas racistas ao ser perguntado se gostava de pagode; caso está sendo investigado pela Polícia Civil

iG Minas Gerais | Bruna Carmona |

Um professor suspeito de fazer declarações racistas em sala de aula pediu afastamento do cargo depois de ser denunciado pelos alunos à direção da escola. O caso aconteceu em uma turma do 1º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Corina de Oliveira, em Uberaba, no Triângulo Mineiro, e está sendo investigado pela Polícia Civil.

De acordo com a diretora da escola, Marilângela de Oliveira Silva Melo, o incidente ocorreu na última sexta-feira (26), no encerramento das aulas do turno da manhã. Segundo ela, os alunos relataram que cantavam pagode no momento em que o professor chegou à sala. Eles perguntaram se ele gostava do gênero musical, ao que ele teria respondido: 'não gosto de pagode, pagode é coisa de preto'.

De acordo com Marilângela, os alunos pediram respeito e questionaram a fala do professor, que ficou alterado e continuou as ofensas. 'Se não gostar de preto for racista, então eu sou racista, e isso é problema meu', ele teria dito. Diante da declaração, alguns estudantes choraram.

Indignados, os alunos procuraram a direção da escola e fizeram uma reclamação formal. De acordo com Marilângela, houve uma reunião com os estudantes nessa segunda-feira (29), ocasião em que a queixa foi registrada em ata. "Fiz o registro com os alunos e senti uma comoção deles, senti que a atitude racista tinha realmente acontecido", disse a diretora.

O documento foi assinado por todos os 33 alunos que participaram da reunião com a direção. Na ata, segundo Marilângela, também estão registradas reclamações de pais de alunos, que fizeram um protesto na porta da escola, na tarde dessa segunda-feira.

Depois de conversar com os estudantes, a diretora se reuniu com o professor. "Ele negou tudo, disse que houve uma distorção, e que ele se desligaria do cargo", afirmou Marilângela. Ela contou que se ofereceu para mediar um encontro entre os estudantes e o professor para esclarecer a situação, mas que sua proposta não foi aceita.

A reportagem de O TEMPO tentou contato com o professor, mas ele não atendeu às ligações.

Investigação

Segundo Marilângela, nessa segunda-feira, foi feito um boletim de ocorrência na Polícia Militar sobre as declarações racistas. Uma cópia da ata assinada pelos alunos foi repassada à corporação para confecção do registro.

O caso será investigado pelo delegado Luiz Tortamano, da 3ª Delegacia de Polícia Civil de Uberaba. Segundo Tortamano, um inquérito foi instaurado e as testemunhas começarão a ser intimadas para depor esta semana.

Substituição

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, o professor era designado e tinha começado a dar aulas de História no colégio no início do ano. O processo de abertura de edital para contratação de um substituto já foi iniciado e a previsão é de que um novo professor assuma o cargo até o fim desta semana.  

Leia tudo sobre: racismouberabaescolaprofessor