Tucano quer ‘desnudar’ rivais

Aécio aposta no último debate para ir ao segundo turno e deixa claro que Marina será principal alvo

iG Minas Gerais | Tâmara Teixeira |

Carreata. Pimenta da Veiga e Aécio Neves visitaram ontem Uberlândia, no Triângulo Mineiro, depois seguiram para Belo Horizonte
André Fossati /divulgação
Carreata. Pimenta da Veiga e Aécio Neves visitaram ontem Uberlândia, no Triângulo Mineiro, depois seguiram para Belo Horizonte

O senador Aécio Neves (PSDB) aposta todas as suas fichas no último debate presidencial, na Rede Globo, para chegar ao segundo turno. Ele deixou claro que, no último embate – que será realizado na quinta-feira –, o seu alvo principal será Marina Silva (PSB). Em duas agendas nesta segunda em Minas, ele atacou principalmente a ex-senadora, mas não deixou de disparar contra a presidente Dilma Rousseff (PT).  

“Os debates são sempre uma oportunidade de as pessoas se desnudarem e mostrarem o que são. Obviamente tem que mostrar a sua coerência quando ela existe. Não compactuo com ataques pessoais. Vejo as duas candidatas brigando muito entre si. Quero brigar ao lado das pessoas”, afirmou, em visita à Associação Médica do Estado, em Belo Horizonte.

Ele disse ainda que fará um debate propositivo, mas que também cobrará “coerência entre aquilo que se propõe hoje e aquilo que se praticou no passado”. Aécio acusou Marina de ter sido contra a Lei de Responsabilidade Fiscal. “Me lembro muito bem, como líder na Câmara, o esforço para aprovarmos a Lei de Responsabilidade Fiscal. Onde estava a candidata do PSB? No Senado. Sabendo do que se tratava, se levantou para votar a favor da lei? Não. Ela se levantou para votar contra a lei”, provocou Aécio.

Mais cedo, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, o tucano dividiu a artilharia entre Marina e Dilma. “Anunciei com antecedência quem será o ministro da Fazenda para mostrar para onde nós vamos. A presidente Dilma, o máximo que conseguiu foi mostrar ao Brasil quem será seu ex-futuro ministro da Fazenda”, criticou.

Questionado sobre as declarações de um diretor do Banco Central que, ao contrário de Dilma, defende a autonomia da instituição, Aécio aproveitou para ir ao ataque outra vez. “No nosso governo, ele (BC) terá liberdade para fazer a política adequada”, garantiu. Para ele, há uma “visão patrimonialista atrasada do governo do PT”.

O senador ainda comentou as declarações de Dilma de que a polícia nunca investigou tanto. “A Polícia Federal investiga porque é o seu papel constitucional, mas infelizmente está sucateada”.

O tucano não deixou de atacar Marina em Uberlândia e disse que hoje a socialista acena para o agronegócio, mas neste segunda tentou inviabilizá-lo. “Hoje ela demoniza o PT e antes estava dentro dele e não foi pouco, foram 20 anos”, disse. “Hoje ela fala que se preocupa com a inflação e vai tratar de enfrentá-la, mas há pouco tempo estava dentro do PT combatendo o Plano Real, que acabou com a inflação”, continuou Aécio. 

“Dei oportunidade para Dilma” Debate. Sobre o encontro entre os candidatos à Presidência na TV Record, na noite de domingo, Aécio disse ter dado chance de a presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT) mostrar suas propostas à população. “Dei oportunidade para ela explicar o que vai fazer na segurança pública, mas nem ela sabe”, declarou o tucano, criticando a rival. Avaliação. Para Aécio Neves, o programa foi um debate sobre “ideias e propostas”. O candidato acredita que foi o que se saiu melhor. “Mostrei, de forma muito prática, que temos um projeto para o Brasil. Nenhuma outra candidatura, incluindo a da presidente da República, tem como melhorar as condições do país gerando emprego”, disse, incluindo nas críticas Marina Silva (PSB).

Pimenta minimiza pesquisas O candidato ao Estado pelo PSDB, Pimenta da Veiga, minimizou as pesquisas que mostram a liderança de Fernando Pimentel (PT). “Você tem várias maneiras de ver a campanha. Uma delas é através de relatórios que você não sabe como foram elaborados”. O tucano escalou o personagem Nerso da Capetinga para suas propagandas. Ele aparece fazendo ataques a Pimentel. Durante encontro com médicos ao lado de Aécio Neves nesta segunda, o tucano disse que pretende criar um programa especial para formação destes profissionais. “Vamos debater a criação de uma carreira de médicos para fazer com que os profissionais que hoje estão no interior tenham garantias para permanecerem atuando nas cidades mais distantes”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave