Ascensão do Galo e manutenção do rumo ao título azul

iG Minas Gerais |

O Atlético cresce a cada rodada, enquanto o Cruzeiro administra a gordura acumulada, que deverá lhe garantir o título. Além dos desfalques, uma rotina durante o Brasileiro, o Galo enfrentou um Vitória desesperado, que precisava somar um ponto que fosse, de qualquer jeito, já que o rebaixamento lhe bate às portas. O time baiano foi guerreiro e ousado. Não se intimidou com o Independência lotado nem com a pressão atleticana desde o primeiro minuto. Logo aos 13 do segundo tempo, o técnico Ney Franco trocou o zagueiro Kadu, que tinha tomado cartão amarelo, pelo atacante Edno. Mira descalibrada O Galo criava oportunidades, mas as finalizações foram improdutivas até os 39, quando Tardelli tabelou com Josué e marcou o belo gol que abriu o caminho da vitória e a manutenção na zona da Libertadores, que estava sendo perdida em função do triunfo do Grêmio sobre o Botafogo, no Maracanã. O jovem Carlos correu muito, fez ótimas jogadas, mas não conseguiu finalizar com a perfeição que vinha demonstrando nos jogos anteriores. Um a menos André, mais uma vez apagado, como se o time jogasse com um jogador a menos. Foi substituído por Dodô, que tabelou com Tardelli na cobrança de escanteio e cruzou na cabeça de Guilherme, para que ele marcasse o segundo gol. Aliás, um prêmio a Guilherme, que brilhou de forma especial nessa partida. Bom resultado O Cruzeiro fez o dever fora de casa ao trazer quatro dos seis pontos disputados. Vitória sobre o Coritiba e empate em Recife, onde todo jogo contra o Sport é difícil. A esta altura o técnico Marcelo Oliveira administra a grande diferença de pontos em relação ao segundo colocado até a rodada que dará ao time o título com antecedência. Renovação Levir Culpi já viveu todo tipo de situação no futebol e não esconde que anda de “saco cheio”, falando até em se aposentar. Importante que o futuro presidente do Atlético, o atual vice, Daniel Nepomuceno, se esforce para tentar renovar com o treinador. Mesmo com tantas contusões, suspensões e falta de tempo para treinar, Levir conduz o Galo em campanha positiva no Brasileiro. Revezamento A instabilidade dos concorrentes se contrapõe à regularidade cruzeirense, tanto que o vice-líder se reveza nas rodadas: já foi o Fluminense, o Corinthians, o São Paulo e agora é o Internacional. Isso é que garante a previsão de nova conquista do Cruzeiro pelo segundo ano consecutivo. A Raposa tropeça, mas o concorrentes também. Injeção O domingo esportivo começou com alegria para os amantes do basquete brasileiro que tenta voltar a ocupar espaço de relevo no cenário mundial. A conquista do título intercontinental pelo Flamengo que venceu o Maccabi, de Israel, por 90 a 77 na final, foi uma injeção de ânimo, especialmente nestes preparativos para o Jogos Olímpicos de 2016.

Esperança A Fifa quer diminuir o domínio absoluto dos empresários nas transações envolvendo a compra e venda de jogadores mundo afora. Mexeu nas regras, mas esses empresários continuarão mandando e faturando a parte do Leão nessas negociações, porém, com as novas determinações eles darão algum retorno e sobrevida aos clubes.

Uberlândia O tradicional clube do Triângulo Mineiro poderá ser um dos primeiros do país a se beneficiar das novas regras da Fifa que exigem que todo jogador seja vinculado a um time para ser negociado. O pai de Neymar e o parceiro deles, Wiliam Ribeiro, estão quase fechando negócio para injetar recursos e jogadores no Uberlândia, passando a fazer parte da administração do clube. Previsão de investimentos de R$ 1,6 milhão para a disputa da Segunda Divisão mineira de 2015.

Ridículo O Brasil é um país sui generis: marginal apronta, mas quem paga é o clube. Como o marginal não é punido, outros marginais continuarão aprontando. No ano passado marginais de azul e branco infernizaram o Independência no clássico, e o Atlético foi punido. O Cruzeiro passou a dispensar a cota de 10% para a sua torcida. Agora a situação se repetiu, porém, inversamente: marginais de preto e branco aprontaram, mas o Cruzeiro é quem pagará a conta. O Atlético também não vai mais querer os tais 10% de ingressos. No domingo soltaram um foguete no Independência e, como ninguém sabe quem foi, o Galo corre risco de ser punido por algo que não fez.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave