Valdivia é punido com dois jogos e não pega Chapecoense

Chileno foi denunciado pela Procuradoria do STJD por ter dado um pisão em Amaral, do Flamengo em partida válida pela 22ª rodada do Brasileiro

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Ainda em busca da forma física ideal, Valdivia prepara seu retorno aos gramados
PÁGINA OFICIAL/FACBOOK/DIVULGAÇÃO
Ainda em busca da forma física ideal, Valdivia prepara seu retorno aos gramados

O meia chileno Valdívia foi absolvido nesta segunda-feira da denúncia de agressão, mas punido por ato hostil e recebeu dois jogos de suspensão em julgamento da 1.ª Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio. Assim, como já cumpriu a automática pela expulsão, fica de fora do duelo contra a Chapecoense, nesta quinta, no estádio do Pacaembu em São Paulo. Sua volta poderá acontecer contra o Botafogo, no próximo dia 8, no Rio.

Valdívia foi denunciado pela Procuradoria do STJD por ter dado um pisão em Amaral, do Flamengo, que estava caído, em partida válida pela 22.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na ocasião, o árbitro da partida expulsou o palmeirense. O jogador foi enquadrado no artigo 254-A do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que diz respeito a jogadas violentas.

Para o auditor relator do processo, Douglas Blaichmann, Valdívia não teve intenção de causar dano ao jogador rubro-negro. "Estou desclassificando o ato (de agressão). Porque não lesionou o outro jogador. Não chega a ter uma agressão grave", declarou.

JULGAMENTO - A audiência começou com um depoimento pessoal de Valdívia, que tentou amenizar o ocorrido. "Às vezes a gente dá aquelas cutucadas na bunda do jogador quando ele está no chão para dizer: 'levanta aí, vamos lá'. Não tive maldade, não quis machucar", defendeu-se o jogador.

O procurador William Figueiredo questionou as justificativas de Valdívia, argumentando que a intenção do palmeirense era agredir Amaral. "O jogador do Flamengo estava no chão de costas, depois que o árbitro já havia marcado a falta ele deu o pisão, completamente fora do jogo", afirmou.

O advogado do Palmeiras tentou convencer os auditores de que Valdívia teria praticado um ato hostil e não uma agressão com intenção de contundir Amaral. "O Valdívia não veio negar. Ele disse que houve aquele pé, mas aquilo não foi um pisão. Um pisão teria gerado piores resultados. O que o Valdívia fez ali não matava uma formiga".  

Leia tudo sobre: palmeirasvaldiviafutebol