Delegado diz que sequestrador está irredutível em hotel

Após as negociações ficarem difíceis, a Polícia já ampliou o perímetro de isolamento da área duas vezes; em carta de despedida, sequestrador pede desculpa a sua mãe e a outros parentes, diz que seu ato é de "desespero"

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

CIDADES: BRASILIA DF:  Homem faz refem em hotel na area central de Brasília 
O sequestrador que mantem um homem refem no Hotel Saint Peter, regiao central de Brasilia, pede a extradicao do ex-ativista italiano Cesare Battisti e a aplicacao pratica da Lei da Ficha Limpa como condicoes para soltar o refem, afirmou o chefe da Divisao de Comunicacao da Policia Civil do Distrito Federal, o delegado Paulo Henrique Almeida, nesta segunda-feira, 29. A Policia ja identificou o criminoso, mas nao vai divulgar os dados sobre ele. A unica informacao dada e que ele nao e morador de Brasilia.
Foto: Jose Cruz/Agencia Brasil
CIDADES: BRASILIA DF: Homem faz refem em hotel na area central de Brasília O sequestrador que mantem um homem refem no Hotel Saint Peter, regiao central de Brasilia, pede a extradicao do ex-ativista italiano Cesare Battisti e a aplicacao pratica da Lei da Ficha Limpa como condicoes para soltar o refem, afirmou o chefe da Divisao de Comunicacao da Policia Civil do Distrito Federal, o delegado Paulo Henrique Almeida, nesta segunda-feira, 29. A Policia ja identificou o criminoso, mas nao vai divulgar os dados sobre ele. A unica informacao dada e que ele nao e morador de Brasilia. Foto: Jose Cruz/Agencia Brasil

A Polícia Civil do Distrito Federal informou nesta segunda-feira 29, que as negociações com o sequestrador que mantém um homem refém em hotel de Brasília ficam mais complicadas, na medida em que se aproxima o fim do prazo dado criminoso, que é às 18h. De acordo com o delegado Paulo Henrique Almeida, chefe da Divisão de Comunicação Social da Polícia Civil do DF, as negociações "estão um pouco emperradas".

"O que a gente percebe é que ele está ficando irredutível", disse o delegado. O policial relatou que o criminoso tem dito que vai se explodir junto com o refém. O jornal O Estado de S. Paulo apurou que o nome do sequestrador é Jac Souza dos Santos, ex-vereador da cidade de Combinado (TO), pelo PP. Ele mantém um funcionário do Hotel Saint Peter refém no 13º andar do edifício. Jac está armado com uma pistola, cujo calibre a polícia ainda não identificou, e colocou um colete que aparenta conter explosivos na vítima.

A Polícia tem quase 100% de certeza de que a bomba é real e tem grande potencial de estrago. Para ser detonada, é preciso que um dispositivo remoto seja acionado e o sequestrador tem esse dispositivo em suas mãos.

Após as negociações ficarem difíceis, a Polícia já ampliou o perímetro de isolamento da área duas vezes. O delegado Paulo Henrique disse que esse episódio não tem precedentes na história de Brasília.

Força tarefa

A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Distrito Federal, corporação responsável por gerenciar a situação de sequestro que ocorre em hotel na área central de Brasília, informou que cerca de 150 agentes atuam nas tentativas de obter a rendição do sequestrador e salvar o refém.

Cerca de 100 desses homens são da Polícia Civil, que participa com diversas de suas divisões, como a Divisão de Operações Aéreas, a Divisão de Resgate e a Divisão de Especialistas Anti bombas. A Polícia Federal dá apoio na área de inteligência; a Polícia Militar em inteligência e segurança do perímetro isolado; e a Agência Brasileira de Inteligência, na área de inteligência.

Carta de despedida

A Polícia Civil informou que policiais enviados a Tocantins para pesquisar a vida do sequestrador que mantém um homem refém no Hotel Saint Peter, em Brasília, encontraram na casa da família dele, em Palmas, uma carta de despedida.

No texto, o sequestrador pede desculpa a sua mãe e a outros parentes, diz que seu ato é de "desespero" e que após "a tempestade vem a bonança", relatou o chefe da Divisão de Comunicação da Polícia Civil do DF, o delegado Paulo Henrique Almeida. O prazo dado para as autoridades atenderem suas reivindicações, que incluem a extradição do ex-ativista italiano Cesare Battisti e a efetiva aplicação da Lei da Ficha Limpa, termina às 18 horas, segundo os policiais.

Apesar das reivindicações demonstrarem revolta do bandido com posições do PT, como a oposição à extradição de Battisti, a Polícia diz que a escolha do hotel foi aleatória. O bandido mantém seu refém no 13º andar do hotel, mesmo número eleitoral do PT. No ano passado, o hotel foi centro de uma polêmica durante julgamento do mensalão, pois ofereceu emprego ao ex-ministro José Dirceu, condenado no processo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave