Pelo menos 36 podem ter morrido em erupção de vulcão no Japão

A busca de vítimas foi abandonada nesta segunda-feira (29) por causa da preocupação das autoridades com os níveis crescentes de gases de tóxicos

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Pelo menos 36 pessoas podem ter morrido em consequência da inesperada erupção de um vulcão japonês que lançou cinzas e pedras sobre pessoas que faziam caminhadas no sábado (27).

As equipes de resgate já encontraram mais de 30 pessoas inconscientes no fim de semana, mas ainda não confirmaram a morte de todas elas.

A busca de vítimas foi abandonada nesta segunda-feira (29) por causa da preocupação das autoridades com os níveis crescentes de gases de tóxicos.

As equipes de resgate no pico do monte Ontake, agora sob uma espessa camada de cinzas, encontraram nesta segunda-feira cinco pessoas mortas que teriam sido vítimas da erupção no segundo maior vulcão ativo do Japão.

A erupção do pico de 3.067 metros, localizado a 200 quilômetros a oeste de Tóquio, ocorreu quando o local, uma área popular para caminhadas, estava repleta de pessoas que subiam a montanha, incluindo crianças.

"Dos 303 montanhistas registrados no sábado antes da escalada (além dos mortos e feridos encontrados), não temos notícias de oito. O número de desaparecidos pode aumentar porque alguns não se registraram", disse o porta-voz do governo.

Dez pessoas já foram confirmadas mortas e 63 ficaram feridas, algumas com ossos quebrados. Mais de 500 socorristas foram até o topo da montanha na segunda, e helicópteros transportavam os corpos em macas.

Porém, como no domingo, as buscas foram interrompidas devido à forte concentração de enxofre. Especialistas disseram que era difícil prever a erupção, apesar de tremores na região registrados este mês, uma vez que não houve outras mudanças na montanha.

A erupção mais mortal no Japão até agora foi em 1991, quando 43 pessoas morreram após erupção no monte Unzen, no sul do país.

A última erupção ocorrida no monte Ontake foi em 1979. A montanha é um dos grandes destinos turísticos de escalada do país e recebe um grande número de turistas.  

Leia tudo sobre: AcidentedesastretragédiavulcãoJapãomortosdesaparecidosbuscasgases de tóxicos