Confrontos deixam ao menos 12 mortos no leste da Ucrânia

O coronel Andriy Lysenko disse durante coletiva que pelo menos nove soldados foram mortos em um dia e 27 ficaram feridos

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O leste da Ucrânia registrou os piores episódios de violência em mais de uma semana com o confronto entre rebeldes pró-Rússia e tropas do governo, cujos confrontos deixaram pelo menos 12 mortos e 32 feridos, informaram autoridades nesta segunda-feira (29).

O coronel Andriy Lysenko, porta-voz do Conselho de Segurança e Defesa Nacional ucraniano, disse aos jornalistas durante coletiva de imprensa nesta segunda-feira em Kiev, que pelo menos nove soldados foram mortos em um dia e 27 ficaram feridos.

Já a Câmara Municipal de Donetsk, cidade comandada pelos rebeldes, disse em comunicado publicado na internet que ao menos três civis foram mortos e cinco ficaram feridos durante um ataque noturno a uma área residencial na parte norte da cidade, onde os combates têm se concentrado no aeroporto, controlado pelo governo.

A violência continua na região apesar do cessar-fogo declarado em 5 de setembro. O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko se empenha em afirmar, a uma cética audiência ucraniana, que seu plano de paz está funcionando.

Desde que os confrontos começaram, em abril, o conflito já deixou pelo menos 3.500 mortos. Em 20 de setembro representantes da Rússia, Ucrânia e dos rebeldes assinaram outro acordo que exige que os dois lados removam toda sua artilharia pesada da linha de frente, o que criaria uma zona tampão que permitiria que o cessar-fogo seja melhor implementado.

No domingo, na segunda maior cidade ucraniana, Carcóvia, nacionalistas derrubaram uma enorme estátua de Vladimir Lenin, sob os aplausos da multidão. Em todo o país, as pessoas têm derrubado estátuas do ex-líder comunista numa demonstração simbólica de sentimento antirrusso.

As autoridades de Carcóvia apoiaram a medida. Arsen Avakov, Ministro de Assuntos Internos da Ucrânia e natural de Carcóvia, escreveu em sua página no Facebook: "Lenin? Deixe que ele caia...contanto que ninguém se fira." 

Leia tudo sobre: ConfrontoconflitoUcrâniaLesteMortosFeridosViolênciaMundoEconomia