Ladrões fazem a limpa durante calourada em centro universitário de BH

Segundo participantes, dezenas de celulares, dinheiro e documentos foram levados; vítimas reclamam que não tiveram apoio da organização e dos seguranças do evento

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

Imagem do Facebook usada no grupo criado pelas vítimas dos furtos
FACEBOOK / REPRODUÇÃO
Imagem do Facebook usada no grupo criado pelas vítimas dos furtos

Um festival de música sertaneja realizado dentro do campus de um centro universitário do bairro Buritis, na região Oeste de Belo Horizonte, no último sábado (27), terminou em prejuízo para dezenas de participantes do evento, que tiveram seus pertences furtados e, segundo as vítimas, não contaram com o apoio dos seguranças e dos organizadores da festa.

Com o nome de “Festaneja BH”, o festival no Centro Universitário de Belo Horizonte (UNI-BH), que teve em sua programação duas duplas e um cantor conhecidos nacionalmente, começou por volta das 14h. Apenas 17 minutos após o início das atrações, às 14h17, o primeiro boletim de ocorrência por furto foi registrado. Ao todo, até as 23h43, horário do último registro feito pela Polícia Militar, foram 25 ocorrências com várias vítimas. Porém, o número é bem maior, uma vez que algumas pessoas deixaram para prestar queixas direto em delegacias ou durante esse domingo (28).

Uma jovem que estava no evento com o namorado e uma prima contou que a ação do suspeito foi muito rápida. “Meu namorado e eu fomos buscar bebida, e ele estava com a carteira no bolso de trás da calça. Por segurança, pedi que ele a colocasse dentro da minha bolsa. Eu guardei e ainda pedi para q ele conferisse se estava fechada direitinho. Minutos depois, minha prima pediu para que eu tirasse uma foto dela. Quando abri a bolsa pra pegar meu celular, notei que o zíper da bolsa tinha uma abertura e o meu iPhone e a carteira do meu namorado não estavam mais lá”, contou a vítima, que pediu para não ter o nome divulgado.

Muita nervosa, ela e seus acompanhantes, que pagaram R$ 100 no convite de área Vip, não aproveitaram a festa e foram prestar queixa. A jovem afirma que não pretende processar a organização do evento. “Não tenho esperança que o Uni ou os organizadores devolvam meu celular, ou que a polícia ache. Não vou me estressar com questões de processos, mas a gente paga pela festa e se sente desprotegida. Nunca mais vou em calourada lá”, desabafou.

Ao contrário da mulher, outras pessoas que estavam no festival cobram uma posição e até o ressarcimento dos produtos levados. Na madrugada desse domingo, horas depois dos crimes, uma das vítimas criou um grupo no Facebook, que já conta com mais de cem integrantes, com o nome de #FuiAssaltadoNoFestaneja. Nele, os participantes do festival contam que, além dos furtos, tiveram problemas com a segurança do evento. Entre as reclamações, os itens mais furtados foram aparelhos telefônicos, carteiras e documentos pessoais.

Segundo relatos dos usuários, a maioria dos crimes aconteceu próximo aos banheiros e ao espaço reservado aos bares, locais que tinham mais aglomeração de pessoas. Internautas chegaram a passar, pela rede social, características de alguns jovens que estavam em atitude suspeita no festival.

Além do transtorno de terem sido furtadas, as vítimas afirmaram que os seguranças não tomaram nenhuma atitude para que o problema fosse solucionado. “O cara puxou a minha bolsa, mas consegui segurar. Quando cheguei ao banheiro dei falta do meu celular, dinheiro e cartão. Após o crime, fui falar com os seguranças e eles quase riram da minha cara. Falaram que a responsabilidade era minha de ter sido assaltada, porque o banheiro estava cheio e eu estava lá dentro. É um absurdo”, disse Rayssa Lobato, de 23 anos, que também estava na área Vip.

Outro ponto questionado pelos participantes foi a falta de policiamento na parte interna do campus. Porém, de acordo com o comandante do 5º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Ronilson Caldeira, militares estiveram no local por várias vezes desde o momento que foi registrada a primeira ocorrência. “É importante destacar que, em eventos privados, a segurança é de responsabilidade dos organizadores. No entanto, nós colocamos um posto de atendimento policial dentro do campus. Além disso, a corporação trabalhou na parte externa e conseguiu, inclusive, evitar o roubo de um veículo”, explicou o policial.

Ainda segundo ele, a corporação foi informada pelos organizadores que o público do evento seria de 7 mil pessoas, mas no local havia, pelo menos, três vezes mais o número repassado à polícia. “As vítimas que procuraram os nossos policiais não passaram nenhuma característica dos criminosos. Isso dificultou a identificação e localização deles. Não tivemos nenhuma prisão por furto”, afirmou o tenente-coronel.

A assessoria de imprensa do UNI-BH informou à reportagem de O TEMPO que a instituição está ciente do ocorrido e se reúne, nesta segunda-feira (29), com os produtores do evento. O centro universitário ficou de se manifestar ao meio-dia. A reportagem também fez contato com a empresa Nenety Eventos, também responsável pela organização, mas ninguém foi encontrado para comentar o caso.

Leia tudo sobre: furtocalouradauni bhassaltoestoril