Santos poupa titulares, mas vence Goiás no Pacaembu

De olho na Copa do Brasil, paulistas bateram a equipe goiana por 2 a 0 e ainda sonha com o G4

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Mesmo sem alguns de seus principais titulares, poupados para as quartas de final da Copa do Brasil, o Santos não teve maiores dificuldade para bater o Goiás em jogo morno na noite deste domingo, no Pacaembu. A equipe da casa contou com Geuvânio inspirado, dono do meio de campo, para vencer por 2 a 0. No único momento em que poderiam ameaçar o triunfo santista, os goianos foram prejudicados por erro crasso da arbitragem.

O resultado levou o Santos a 36 pontos, em oitavo, ainda sonhando com o G4. No meio de semana, a equipe terá os retornos de Aranha, Cicinho e Robinho, que sequer ficaram no banco neste domingo, para enfrentar o Botafogo, quarta-feira, às 19h30, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Já o Goiás em nada lembrou o time que goleou o Palmeiras na semana passada e mais uma vez exibiu muitos problemas na criação tornando-se praticamente inofensivo ao adversário. Por isso, estacionou nos 30 pontos, em 13.º. Sábado que vem, receberá o Figueirense no Serra Dourada, às 18h30. O gol de David Braz logo no início deu ao Santos a tranquilidade que precisava para administrar o resultado. O segundo, marcado por Geuvânio, aumentou a calma santista, ameaçada somente pelo chutaço de Esquerdinha, que tocou no travessão e entrou no gol de Vanderlei. Mas Ricardo Marques Ribeiro, árbitro Fifa e auxiliar da linha de fundo neste domingo, não enxergou o gol claro, que poderia ter dado novo ânimo aos visitantes. O JOGO - Mesmo com um time misto, o Santos começou dono da partida, chegando pela esquerda com Thiago Ribeiro e Geuvânio. Aos 12 minutos, Gabriel quase marcou, mas Renan espalmou para escanteio. Na cobrança, Lucas Lima achou David Braz no meio da área e o zagueiro cabeceou firme, vencendo Renan. O gol tranquilizou o Santos, até porque o Goiás não oferecia nenhum perigo aos donos da casa, que ficavam com a bola e tocavam de lado, esperando o melhor momento para atacar. Na segunda metade do primeiro tempo, os goianos passaram a atacar um pouco mais, mas ainda sem criatividade. Melhor para os donos da casa, que ganharam espaço para o contra-ataque e quase marcaram aos 30, quando Geuvânio encontrou Victor Ferraz, que cruzou e parou em Renan. Aos 32, novamente em lance rápido, Thiago Ribeiro teve a chance e jogou por cima. Assim, o primeiro tempo se foi sem sequer um chute a gol do Goiás. No segundo tempo, o Goiás voltou com Bruno Mineiro na vaga de Samuel e buscando mais o ataque. Mas à medida em que iam para cima, deixavam mais espaço para o contra-ataque santista. Aos oito minutos, Geuvânio arrancou pela direita e cruzou. Arouca dividiu pelo alto e a bola sobrou com Thiago Ribeiro, que emendou de primeira mas jogou longe. Pouco depois, Ramon entrou na vaga de Moisés, deixando o Goiás ainda mais ofensivo. Mas o ímpeto da equipe não aumentava. Por outro lado, os espaços para o Santos conseguir contragolpes eram cada vez maiores. Foi assim que, aos 17 minutos, Geuvânio tocou para Pato Rodríguez, que tentou o cruzamento. A bola desviou e sobrou para o próprio Geuvânio, que finalizou para a rede. Quando o Goiás poderia reagir, a arbitragem impediu o gol da equipe visitante. Logo na sequência, aos 18, Esquerdinha arriscou de longe, a bola tocou no travessão e bateu bem dentro do gol. O auxiliar da linha de fundo Ricardo Marques Ribeiro, que estava de frente para o lance, não enxergou o gol claro. Na sequência, David ainda tocou de cabeça para a rede, mas estava impedido. Daí para frente, a monotonia da partida só aumentou. Desiludido, o Goiás sequer tentava chegar ao ataque, enquanto o Santos também não forçava. Mesmo assim, ainda teve bom momento com Lucas Lima, aos 40, o último da partida.

Leia tudo sobre: SantosGoiásCampeonato BrasileirofutebolPacaembu