Pimenta diz que Copa e morte de Campos atrapalharam campanha Tucana

O candidato discorda de Aécio que considera que a campanha no Estado cometeu o “equívoco” de não atrelar o nome de Pimenta de forma direta e intensa aos feitos da administração do Estado

iG Minas Gerais | Tâmara Teixeira |

O candidato ao governo de Minas pelo PSDB, Pimenta da Veiga, acompanhou Aécio Neves e Antonio Anastasia na visita a São João del Rei, no Campo das Vertentes neste domingo (28). O tucano disse que irá redobrar o trabalho na última semana antes da campanha e que acredita que irá assumir a liderança das pesquisas de intenção de voto, e que irá explorar as diferenças entre o PT e o PSDB.

Perguntado sobre o motivo de sua campanha não decolar apesar de o atual governo ser bem avaliado e de o ex-governador Antonio Anastasia liderar de forma isolada as pesquisas, Pimenta deu uma versão diferente da de Aécio Neves. Nos últimos dias,o  senador disse que a campanha no Estado cometeu o “equívoco” de não atrelar o nome de Pimenta de forma direta e intensa aos feitos da administração do Estado.

Para Pimenta, a morte de Eduardo Campos e a Copa prejudicaram a sua candidatura e a de Aécio. “Dois fatos retardaram o posicionamento do eleitor. A Copa, que até o fim da Copa ninguém tratou de política a não ser os próprios candidatos e o segundo o desastre do Eduardo Campos que retardou o formato até que voltasse ao eixo natural como está voltando”, afirmou. 

Segundo Pimenta a estratégia agora será polarizar ainda mais com o PT. “É comparar os tipos de governo que são absolutamente diferentes. O jeito do PT que governa pensando no partido e nos companheiros sem nenhuma preocupação com o interesse do Brasil e  do Estado. Outra é o nosso governo, em 12 anos não houve sequer um escândalo em Minas. No governo do PT os escândalos são todo mês”, afirmou Pimenta. 

O candidato ainda afirmou que “uma campanha não pode se completar sem vir a terra de Tancredo por tudo que ele representa”

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave