Para evitar sufoco, atleticanos buscam capricho nas finalizações

Nas últimas três rodadas, o Atlético abriu boa vantagem no início, mas, ainda assim, desperdiçou chances e, por pouco, não se complicou

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Já está virando rotina: o Atlético vem criando oportunidades, constrói o resultado, mas encontra dificuldades para manter o placar favorável. Assim, um jogo que parecia fácil acaba se transformando em um verdadeiro "Deus nos acuda".

Foi assim contra o Goiás, um 3 a 0 impiedoso na primeira etapa. Quando a bola rolou para o segundo tempo, a equipe esmeraldina se lançou ao ataque, fez dois gols e quase complicou a vida alvinegra. Foi assim também contra o rival Cruzeiro, 2 a 0 construído de uma maneira fulminante, mas a Raposa se recompôs, empatou o jogo e o Galo só conseguiu vencer nos minutos finais. Contra o Santos, na última quinta-feira, história repetida. Em uma das melhores atuações do time no Brasileiro, o Atlético poderia facilmente ter emplacado uns 4 a 0 no Peixe no primeiro tempo, mas sofreu na etapa complementar e quase cedeu o empate nos acréscimos.

"O Brasileiro tem que jogar os 90 minutos, não pode dar mole. O torneio está muito difícil, quase no nível dos campeonatos europeus. Mas eu tenho certeza que o professor vai ajustar esta situação nos treinos, e nós vamos parar de vacilar neste finalzinho das partidas", afirmou o lateral Douglas Santos, que contra o Santos fez sua primeira partida como titular da posição.

"A gente estava com o placar na mão, mas não podemos tomar esse susto que tomamos novamente. É o terceiro jogo que estamos dando vacilos assim. O importante é que a equipe jogou bem, tem que valorizar. O primeiro tempo que a gente fez foi muito intenso e graças a Deus fomos coroados com a vitória", avaliou Diego Tardelli, após a vitória sobre o Peixe.

Dono de três oportunidades claríssimas de gol contra o Santos, o jovem atacante Carlos lamentou os erros nas finalizações. Segundo o camisa 13, o que está faltando é tranquilidade para concluir as jogadas em gol.

"Nós temos um time muito rápido, só está faltando a conclusão, a tranquilidade, o capricho final. Mas, nos treinos, nós vamos conseguir melhorar isto", apontou.

E é bom o ataque calibrar o pé mesmo. Os volantes alvinegros, responsáveis pela contenção das jogadas adversárias, ficarão agradecidos.

"Só jogada bonita ali no primeiro tempo (contra o Santos), tudo de primeira, estava dando gosto de ver. Tem que caprichar, o mais difícil é criar, e a gente está criando muitas chances. Tem que caprichar ali, Carlos, Tardelli, Guilherme para a gente fazer três, quatro ainda no primeiro tempo, e na segunda etapa a gente entrar mais tranquilo, podendo errar igual a gente errou", destacou o volante Leandro Donizete, que mesmo com todo o sufoco vê a equipe no caminho certo.

"O importante é que a equipe está crescendo a cada jogo, voltando a ser o time rápido de antes. Esperamos manter esta qualidade", concluiu. 

Leia tudo sobre: atleticanossufocoevitarcaprichofinalizaçoesbrasileirojogovitoriaatletico