Punição bate à porta

iG Minas Gerais |

Vítimas de bandidos disfarçados de torcedores e inflitrados entre eles, da incompetência dos responsáveis pela segurança no clássico – dentro e fora do Mineirão – e de si mesmos, Cruzeiro e Atlético, que durante décadas incentivaram essas organizadas, devem perder mandos de campo por causa das ocorrências no jogo de domingo passado, pelo Brasileiro. Nesta semana, a Procuradoria geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) denunciou os clubes por causa das confusões no Gigante da Pampulha, relatadas pelo árbitro do jogo na súmula da partida, o que pode render até 20 jogos para cada uma das agremiações. A sorte ou o azar de Raposa e Galo é que o Corinthians também será julgado pela briga entre corintianos no duelo com o São Paulo. Explico! Se é que resta alguma coerência ao STJD, ele terá que aplicar a mesma punição aos três clubes, o que alivia a situação dos times da capital. Porém, se o tribunal resolver seguir na linha demonstrada com a exclusão do Grêmio da Copa do Brasil por causa do caso Aranha, é bom os três clubes abrirem os olhos. Não custa lembrar que Cruzeiro e Atlético são reincidentes por causa dos problemas no clássico do segundo turno do Nacional de 2013, disputado no Independência. Mesmo que haja uma punição branda, o que acredito, entre um e três jogos, os clubes serão prejudicados, se não tanto tecnicamente por não jogarem em casa na fase final do Brasileiro, mas terão um prejuízo financeiro grande, pois perderão rendas. Gostaria de saber se Cruzeiro e/ou Atlético vão processar aqueles que foram presos após soltarem bombas no Mineirão, para que eles ressarçam os milhões de reais que devem fazer os clubes perderem. Aliás, se Cruzeiro e Atlético têm algum processo movido ou em andamento em um caso parecido, que me mandem as informações para que eu as faça chegar ao torcedor de bem. Vou esperar sentado. Claro que não dá para a Polícia Militar estar em todos os lugares para evitar confrontos entre os marginais das torcidas organizadas, mas “assistir” a tiros serem disparados em frente ao Batalhão Rotam e não prender ninguém imediatamente, ainda mais com escolta a uma das torcidas envolvidas, é um pouquinho demais. Cabe à PM se organizar melhor ou vir a público e dizer que não tem mais condições de garantir segurança em clássicos com duas torcidas, o que não é demérito para ninguém, mas a corporação estaria contrariando uma diretriz do governo do Estado. Clássico de torcida única já acontece em vários lugares do mundo, alguns com níveis sociais e educacionais bem maiores do que os do Brasil. O último capítulo desse episódio dedico para a Minas Arena, que administra o Mineirão, e ao mandante dos jogos no estádio. A revista que vem sendo feita em quem vai ao Mineirão precisa ser reformulada urgentemente! Como entram bombas, sinalizadores e até soco-inglês no Gigante da Pampulha? E se esse soco inglês fosse um revólver? Detector de metais e raio X já! Os custos que sejam arcados por quem ganha muito dinheiro explorando o futebol. Enquanto essas torcidas organizadas não forem definitivamente extintas e os clubes não forem ressarcidos pelos torcedores que os prejudicam, vamos ter que continuar dividindo espaço nos meios de comunicação entre jogaços, como o clássico passado, e essas lamentáveis cenas de domingo. Por sorte, ninguém morreu.

Exemplo. Para o bem de ambos os times e do futebol mineiro, o Atlético anunciou, como fizera o Cruzeiro após a confusão de 2013 no Independência, que abrirá mão dos 10% da carga de ingressos a que tem direito em jogos que tenham o Cruzeiro como mandante. Claro que o ideal seria o Mineirão dividido ao meio no maior jogo do Estado, mas não dá para arriscar, ainda mais quando vidas estão em jogo.

Arbitragem. A cada rodada que passa do Brasileiro, os erros dos árbitros sob responsabilidade da CBF se acumulam e ficam cada vez piores. Até o presidente da entidade, José Maria Marin, disse estar muito insatisfeito com o nível dos juízes que atuam na competição. Será que a imensa maioria dos brasileiros, que adora futebol, está satisfeita com o nível do presidente da CBF?

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave