Muricy não deve nem assistir ao jogo de sábado

"Ele está fora de qualquer comunicação ao jogo, ele também não quer e não é conveniente", informou o médico do clube

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Treinador criticou a postura do time em não definir a partida e deixar o Coxa virar o jogo
Rubens Chiri/saopaulofc.net
Treinador criticou a postura do time em não definir a partida e deixar o Coxa virar o jogo

Por recomendação médica, o técnico Muricy Ramalho vai ter de ficar distante do futebol no período que estiver hospitalizado. Até mesmo assistir ao confronto deste sábado entre São Paulo e Fluminense não seria uma boa para o quadro clínico do treinador. "Estamos deixando o Muricy o mais tranquilo possível, ele tem de ficar alheio à atividade dele", avisa José Sanchez, médico do São Paulo.

Quem vai comandar o time no Morumbi é o auxiliar Milton Cruz. Tata, que também é auxiliar, ajudará o companheiro, mas ambos já sabem que não poderão contar com qualquer ajuda de Muricy à distância. "Ele está fora de qualquer comunicação ao jogo, ele também não quer e não é conveniente se submeter a isso", continua o médico, lembrando que o problema do treinador pode ter sido causado pelo trabalho. "O estresse é muito grande e claro que pode criar um problema e trazer repercussões que não são benéficas para o organismo", diz.

Muricy está na UTI do Hospital São Luiz e ficará lá até que a medicação intravenosa seja retirada. Depois, poderá ir para o quarto e receberá acompanhamento de perto para ver a evolução do quadro. Por isso, pode ser que nem assista ao jogo de sábado. "Se ele sair da UTI e for para um quarto, vai depender dele querer ver o jogo. Mas acredito que não vai assistir", explica Sanchez.

O médico conversou com o treinador, que não imaginava que teria de ser hospitalizado por causa de uma arritmia cardíaca. "Eu estive com ele, conversamos, e ele está chateado. Esperava ir até o hospital fazer exames e ir embora. Foi uma coisa leve o mal-estar que ele sentiu. Ele está bem, mas tem a situação da arritmia que exige que ele siga alguns passos no tratamento. Não pode brincar com isso", afirma.

José Sanchez lembra que, por causa de todas as precauções médicas, não tem como saber ainda quando Muricy terá alta do hospital, mas é quase impossível que ele saia antes do início da próxima semana. "Claro que ele quer ir embora, mas tem de esperar melhorar. A sequência, quem vai definir são os cardiologistas do hospital. A gente espera que o mais breve possível ele possa retornar às suas atividades", conclui.

Leia tudo sobre: sao paulotricolormuricytecnicointernadosaude