Impasse com a prefeitura fecha agência do Itaú em Sabará

Imóvel utilizado pelo banco é público e administração alega que aluguel não era pago; Itaú afirma que havia acordo, mas garante não interrupção do atendimento

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Uma agência do Itaú, em Sabará, na região metropolitana de Belo Horizonte, fechou as portas, após uma ordem judicial que obrigava o banco a deixar o prédio, que pertence ao município, nessa semana. De acordo com um comunicado feito pela Procuradoria Jurídica da cidade, o Itaú não estaria arcando com os aluguéis pelo uso do espaço. A instituição financeira, por sua vez, alega que havia um consentimento acordado e, que mesmo assim, os clientes não deixarão de ser atendidos.

"Após inúmeras tentativas amigáveis de negociação e cobrança de aluguel, o banco não chegou a um acordo com o município e não aceitou qualquer proposta ofertada. As negociações se iniciaram justamente porque a atual administração não tem interesse em fechar o banco, muito menos retirá-lo da cidade. Ocorre que, como não houve acordo, alternativa outra não restou senão ingressar na justiça com uma ação de reintegração de posse do imóvel", afirma o comunicado da prefeitura à imprensa.

Ainda, segundo a administração, em uma gestão anterior, o referido banco era o responsável pela folha de pagamento do município e que teria, inclusive, concedido o imóvel para que a agência se instalasse. "Se o município aluga imóveis para suas próprias instalações e funcionamento dos seus setores, não faz sentido ceder um imóvel para o banco Itaú", justifica o texto.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o banco Itaú informou que não houve tentativas de negociação e que o atendimento aos clientes não foi suspenso.

O Itaú Unibanco informa que o imóvel onde se encontrava a agência bancária 7331 foi cedido em 2006, em função da celebração do Convênio de Cooperação Técnica (CCT) e do processo licitatório, ocorrido em 2012, para atendimento da comunidade e o processamento da folha de pagamento dos servidores públicos, no qual o banco foi declarado vencedor.

Na época, o Sr. Diógenes Gonçalves Fantini, hoje atual prefeito, ingressou com ação popular para anular a licitação. O Poder Judiciário, por sua vez, ainda não se manifestou a respeito da nulidade da licitação.

Assim que tomou posse do cargo, a administração do município anulou o contrato firmado com o Itaú, transferindo a folha de pagamento para outra instituição, sem o devido processo licitatório, e requerendo a desocupação do imóvel, que foi realizada em 23/09/2014. Em nenhum momento foi feita qualquer proposta que não fosse a saída do imóvel.

O novo local já está em obras e o Itaú está providenciando a liberação do alvará de funcionamento. Durante este período, o atendimento está sendo feito na agência 6943 na Av. Contagem, 1500  - Vila Nova Vista.

Leia tudo sobre: agênciaItaúimpasse