Fala de Dilma à ONU não foi eleitoreira, diz chanceler brasileiro

Cerca de metade do discurso foi tomado por temas internos, onde foram destacados os avanços sociais dos "últimos 12 anos"

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

No dia seguinte à fala da presidente Dilma Rousseff na abertura da Assembleia Geral da ONU, e Nova York, o chanceler brasileiro, Luiz Alberto Figueiredo, negou que a presidente tenha usado o espaço para promover seu governo em meio à campanha eleitoral.

"Foi um discurso de estadista, de presidente da república e no padrão que tem sido nestes últimos anos", disse Figueiredo. "Nós somos tradicionalmente desta forma: anualmente dizemos qual é a situação do país e reafirmamos o que a gente acha em política externa."

Cerca de metade do discurso de Dilma na quarta-feira, na ONU, foi tomado por temas internos, com a presidente destacando os avanços sociais dos "últimos 12 anos", e que 22 milhões dos 36 milhões de brasileiros que deixaram a miséria desde 2003 o fizeram em seu governo.

Em seus três primeiros discursos, de 2011 a 2013, a presidente sempre mencionou as políticas de combate à pobreza do país e de redução da desigualdade. Nos outros anos, porém, os assuntos internos tomaram menos espaço, com temas da agenda internacional, como a crise econômica mundial e o escândalo da espionagem americana, dominando boa parte de sua fala.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave