Governo atesta 17 métodos alternativos ao uso de animais em pesquisas

O texto cita métodos alternativos validados por centros internacionais que tenham por finalidade a redução e a substituição do uso de animais em atividades de pesquisa, além de procedimentos mais refinados

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Economia - Belo Horizonte - MG
Beagle valorizado. O resgate dos beagles no laboratorio em Sao Paulo inflacionou o mercado.
FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO 25.10.2013 ta26011
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Economia - Belo Horizonte - MG Beagle valorizado. O resgate dos beagles no laboratorio em Sao Paulo inflacionou o mercado. FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO 25.10.2013 ta26011

Resolução do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação publicada nesta quinta-feira (25) no Diário Oficial da União reconhece 17 métodos alternativos ao uso de animais em atividades de pesquisa no Brasil.

O texto cita métodos alternativos validados por centros internacionais que tenham por finalidade a redução e a substituição do uso de animais em atividades de pesquisa, além de procedimentos mais refinados. Ainda segundo a pasta, todos os 17 métodos têm aceitação regulatória no exterior.

Uma das alternativas a testes em animais para saber se o produto causa irritação na pele será uma espécie de pele artificial. Também foi aprovado o método in vitro, que usa culturas celulares para avaliar, por exemplo, possíveis danos de substâncias ao DNA.

A resolução estabelece um prazo de cinco anos para a substituição obrigatória do método original.

O assunto ganhou destaque em no fim do ano passado, quando ativistas contrários à prática de testes laboratoriais em animais invadiram o Laboratório Royal no município de São Roque, no interior paulista, e levaram 178 cachorros da raça beagle. Eles acusavam a unidade de maltratar cães, coelhos, ratos e outros animais usados em pesquisas científicas. O laboratório encerrou as atividades em novembro de 2013.

Leia tudo sobre: PesquisaanimaisciênciatecnologiasaúdemétodosalternativosDOUBrasil