Otan observa retirada significativa de tropas russas na Ucrânia

Na semana passada, a Otan disse que acreditava que a Rússia ainda tinha cerca de 1.000 soldados dentro da Ucrânia, apesar de uma redução no número de tropas desde que o cessar-fogo entre ucranianos e separatistas

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Otan observou uma retirada significativa de forças russas do território ucraniano, mas muitos soldados russos permanecem posicionados nos arredores, disse um porta-voz da aliança militar ocidental nesta quarta-feira (24).

"Houve uma retirada significativa dos soldados russos convencionais de dentro da Ucrânia, mas muitos milhares ainda estão posicionados nas proximidades da fronteira", disse o tenente-coronel Jay Janzen.

"Alguns soldados russos permanecem dentro da Ucrânia. É difícil determinar o número, uma vez que separatistas pró-Rússia controlam várias travessias de fronteira e soldados estão rotineiramente indo e voltando pela fronteira. Além disso, forças especiais russas estão operando na Ucrânia, e elas são difíceis de serem detectadas", disse.

Em 4 de setembro, um oficial militar da Otan disse que a Rússia tinha muitos milhares de combatentes e centenas de tanques e veículos armados dentro da Ucrânia, além de cerca de 20.000 soldados perto da fronteira ucraniana.

Na semana passada, a Otan disse que acreditava que a Rússia ainda tinha cerca de 1.000 soldados dentro da Ucrânia, apesar de uma redução no número de tropas desde que um cessar-fogo entre ucranianos e separatistas foi iniciado em 5 de setembro.

Os países ocidentais acusam a Rússia de apoiar militarmente, com armas e tropas, os separatistas no leste da Rússia.

Violações da trégua

Os separatistas pró-Rússia denunciaram nesta quarta a morte de dois civis nesta madrugada em um ataque com artilharia das forças de Kiev contra um bairro residencial da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia.

"A zona residencial do bairro Novokuibishevski de Donetsk foi atacada com os (lança-mísseis) Grad. Dois civis morreram e outros quatro foram transferidos ao hospital", informou à agência russa "Interfax" oficiais da República Popular de Donetsk, não reconhecida por Kiev.

As autoridades municipais da cidade confirmaram ataques isolados contra áreas residenciais da cidade durante a madrugada passada.

Os rebeldes também denunciaram outras violações do cessar-fogo por parte das tropas ucranianas que teriam ocorrido no final da noite de ontem junto ao aeroporto de Donetsk, controlado pelas forças de Kiev, mas rodeado pelos separatistas pró-Rússia.

Por sua parte, o coordenador do portal "Resistência Informativa", Dmitri Timchuk, muito próximo às forças de Kiev, assegurou que foram os separatistas que dispararam com tanques e mísseis Grad contra as posições ucranianas no aeroporto.

Segundo o comando militar ucraniano, um grupo de observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) caiu sob fogo dos milicianos sem que ninguém ficasse ferido quando se encontrava junto às posições ucranianas na região de Lugansk.

Leia tudo sobre: CrimeOtanRússiaUcrâniaConflitoCombateMortosSoldadosMundoformilitar