Amor e amizade numa coisa só

Peça adaptada de livro da escritora Martha Medeiros explora conceito da amizade em meio às relações amorosas

iG Minas Gerais | LUCAS SIMÕES |

Relacionamento. Os atores Felipe Cunha e Cristiana Oliveira (abraçados) abusam do humor para refletir sobre amizade com Luisa Thiré
Guga Melgar/Divulgação
Relacionamento. Os atores Felipe Cunha e Cristiana Oliveira (abraçados) abusam do humor para refletir sobre amizade com Luisa Thiré

Vinícius de Moraes cantou a pedra: “Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos”. Assertivamente os versos do Poetinha traduzem o fio condutor da peça “Feliz Por Nada”, que leva ao palco do Teatro Francisco Nunes, hoje à noite, uma história sobre a chamada amizade fundamental – um conceito que tem o desafio de sobreviver em meio a um enredo amoroso de dúvidas, brigas, medos e muitas risadas que aparecem representadas pelos atores Cristiana Oliveira, Luisa Thiré e Felipe Cunha.

O espetáculo, que estreou no Rio de Janeiro ano passado, é inspirado no livro “Feliz Por Nada”, da escritora Martha Medeiros, repleto de interrogações sobre o sentido diário da vida, descritas através de crônicas que revelam uma visão feminina despretensiosa. Na adaptação carioca de Regiana Antonini com direção teatral de Ernesto Piccolo, Laura (Cristiana Oliveira) se torna amiga inseparável de Juliana (Luisa Thiré), após perder as filhas no aeroporto de Tóquio e contar com a ajuda da então desconhecida para encontrar as meninas. “Elas são duas mulheres de 40 anos, que chegaram a essa idade cheias de insegurança e questionamentos. Não é uma amizade de infância, é aquela amizade que aparece no meio da vida e que fica, sem qualquer explicação”, diz a atriz Cristiana Oliveira.

Toda a história ganha corpo quando Joca (Felipe Cunha), um executivo que vive o marido de Laura acomodado com o casamento, mas que coincidentemente foi ex-namorado de Juliana, surge em cena para bagunçar ainda mais as inquietações das duas amigas. “Longe de ser um triângulo amoroso, a história explora questionamentos femininos e também masculinos do que é a amizade humana. Uma amizade que é maior do que os amores que vem e vão, e isto inclui o casamento, que parece uma instituição tão sólida. É como se disséssemos que amor sem amizade não dá”, diz Cristiana.

No meio de uma história que na teoria parece pender para o drama, a veia cômica de uma peça apresentada dentro do 1º Festival de Comédias (Festicom) de Belo Horizonte aparece como refresco para as dicotomias dos personagens. “O tempo inteiro tudo é tratado com humor, em um jeito comum de levar a vida, como se não houvesse plateia no teatro e duas amigas realmente conversassem abertamente sobre o que quisessem”, completa Cristiana.

Inspiração. Acostumada a interpretar “personagens fortes”, como ela mesma define sua carreira, Cristiana Oliveira se inspirou em Nelson Rodrigues para compor Laura. “Nunca fui dependente do casamento. Conversando com a Luisa Thiré, que interpretou a dramática ‘Valsa Nº 6’ (único monólogo de Nelson Rodrigues), corri atrás de referências dele, como o livro ‘Vestido de Noiva’, que expõe um comportamento de mulher submissa e libertária ao mesmo tempo”.

A trilha sonora é assinada por Rodrigo Penna e explora principalmente temas instrumentais leves, mas também ataca com canções mais despojadas como “Crazy”, de Alanis Morissette.

Quase sem cenário, a peça é concentrada nos diálogos dos personagens, que vestem figurinos calcados em decotes e outras modernidades de Helena Araújo, além de contar com uma iluminação quase individual desenhada por Aurélio di Simoni. “Praticamente a única composição de cenário são as malas, quando as duas amigas se encontram no aeroporto. De resto, o essencial são os diálogos e o que elas sentem no palco. Por isso a luz é concentrada na peça: para dar vida ao que interessa”, justifica o diretor Ernesto Piccolo.

Agenda

O QUE. “Feliz Por Nada”

ONDE. Teatro Francisco Nunes (avenida Afonso Pena, s/nº, Parque Municipal)

QUANDO. Hoje, às 20h

QUANTO. Antecipados nos postos do Sinparc, os ingressos custam R$ 15. Na porta do teatro, com uma hora de antecedência, as entradas saem por R$ 40 (inteira) a R$ 20 (meia-entrada).

Adaptação

Livro. “Feliz Por Nada” (L&PM, 2011) traz uma reunião de 80 crônicas da gaúcha Martha Medeiros e vendeu mais de 80 mil cópias no Brasil em seu ano de lançamento. Para adaptar os textos para o teatro, a escritora revisou diversas passagens do livro e ajudou Regiana Antonini a compor alguns diálogos da peça.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave