Após vice, Bruno diz que Brasil volta de cabeça erguida

Apesar da frustração por perder o título mundial, capitão frisou que seleção canarinho provou que está entre as melhores

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Capitão da seleção brasileira garante seriedade em duelo com os Estados Unidos
Alexandre Arruda / CBV
Capitão da seleção brasileira garante seriedade em duelo com os Estados Unidos

Apesar de a seleção brasileira masculina ter perdido a chance de conquistar o tetra mundial de vôlei ao ser derrotada pela Polônia na decisão do último domingo, na casa dos rivais, os jogadores ficaram satisfeitos com a entrega da equipe, que voltou ao País nesta terça-feira.

Para o capitão Bruno só de chegar a mais uma final de um Mundial prova que o Brasil está gabaritado na elite do vôlei. "É difícil dizer exatamente o que faltou para vencer, ainda é muito cedo. Fomos à final e mais uma vez estamos entre os melhores. Claro que não estamos satisfeitos. Precisaremos de tempo para ver o que precisamos crescer e melhorar para as próximas competições", afirmou o levantador, que desembarcou no Rio na tarde desta terça-feira ao lado de Leandro Vissotto.

Para o oposto, não faltou empenho do Brasil. Mas Vissotto admitiu que o time tropeçou em um adversário superior. "Saímos de cabeça erguida porque demos o nosso melhor, fizemos o que tínhamos que fazer da melhor forma. Infelizmente fomos superados por um adversário mais eficiente, mais lúcido", explicou.

Após a conquista do Mundial de 2010, o Brasil caiu de produção. Acostumado a faturar Ligas Mundiais, a seleção de Bernardinho foi vice em três oportunidades (2011, 2013 e 2014) e em 2012 foi eliminada nas quartas de final. "As expectativas eram baixas em relação à seleção no Mundial mas a gente chegou novamente. Só que não dá para ganhar sempre", completou Vissotto.

Os demais jogadores da seleção desembarcaram em São Paulo na manhã desta terça-feira. Bruno, Vissotto e Bernardinho, que chegariam no Rio também pela manhã, tiveram problemas no embarque em Frankfurt e por isso tiveram de esperar cerca de 12 horas na cidade alemã. Por causa de um compromisso, Bernardinho preferiu se adiantar aos dois atletas e fazer uma conexão para São Paulo.

Leia tudo sobre: voleiseleção brasileirabrunovicemundial