Suspeitos de explosão no Chile continuarão presos

Um juiz chileno autorizou o uso de uma lei antiterrorista para a investigação dos delitos, o que permitiria a emissão de sentenças superiores a 15 anos de prisão.

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Um juiz chileno ordenou nesta terça-feira (23) a prisão preventiva de três membros de um grupo anarquista suspeitos de terem organizado o atentado com bomba que deixou 14 pessoas feridas no metrô da capital Santiago. O magistrado autorizou o uso de uma lei antiterrorista para a investigação dos delitos, o que permitiria a emissão de sentenças superiores a 15 anos de prisão.

O juiz René Cerda acolheu a demanda do fiscal Raúl Guzmán e pediu a prisão preventiva de 10 meses para Juan Flores, de 22 anos, e sua parceira Nataly Casanova, de 25, por diversos ataques entre julho e setembro. Guillermo Duran, também com 25 anos, ficará impedido de deixar sua casa durante a noite.

O trio foi preso no dia 18 de setembro, 10 dias após a explosão na estação Escuela Militar do metrô. Além desse, eles foram acusados por outros três atentados terroristas: a uma outra estação de metrô e a dois departamentos de polícia. A principal acusação recaiu sobre Flores, que durante a audiência ficou a maior parte do tempo sorrindo e conversando com os companheiros. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave